João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos



O Cavaleiro do Oriente

Embora se trate de um grau de inspiração templária, o Grau 15, chamado Cavaleiro do Oriente, é feito em cima da crônica bíblica que trata da reconstrução do Templo de Jerusalém comandada por Zorobabel. Cavaleiro do Oriente eram os cruzados que foram para a Terra Santa para lutar contra os muçulmanos que haviam capturado Jerusalém e proibiram os cristãos de visitar seus lugares santos.
Ao reconquistar a cidade santa, esses cruzados adotaram diversas tradições dos antigos judeus, inclusive os costumes por eles utilizados, de se comunicarem através de palavras―senhas e sinais, já que eram estranhos numa terra estrangeira e os nativos geralmente lhes eram hostis. A Irmandade sobre a qual se fala no ritual deste grau é a Ordem dos Cavaleiros Templários, que por suposto seria a antecessora da Maçonaria. Mas por questões de desenvolvimento ritual, toda a ambientação e as referências históricas estão vinculadas à reconstrução do Templo de Salomão, promovida por Zorobabel no inicio do século IV a.C após a conquista persa.
Historicamente, o personagem chamado Zorobabel foi um rabino, líder dos judeus que voltaram para Jerusalém com a permissão do rei Ciro, da Pérsia, após aquele rei ter derrotado os caldeus e libertado os povos que eles tinham levado cativos para a Babilônia. Diz o cronista Esdras que se tratavam de 42.360 pessoas, além de seus servos e servas, o que pressupõe que os judeus, já nessa época, não viviam mais como cativos no império persa.
Todavia, naquele tempo, como hoje, a Palestina não era habitada somente pelos descendentes de Israel. A volta de um tão vasto contingente de pessoas para aquela terra, sabidamente tão pobre em recursos naturais, trouxe muita preocupação para os povos da região. A começar pelo abastecimento de água―toda a água potável da Palestina vem do Lago Genezaré, o chamado Mar da Galileía―, os parcos recursos naturais da região são disputadíssimos pelos povos de diversas etnias que ali se fixaram. Esse é motivo da eterna situação de conflito existente naquele conturbado pedaço de terra chamado Palestina.
Esse novo êxodo de judeus para a região logo se degenerou em conflito. Esdras fala da feroz oposição dos samaritanos, embora deixe transparecer em sua crônica que essa oposição foi causada pelos próprios judeus, que não permitiram que seus rebeldes conterrâneos do Norte participassem da reconstrução do Templo. Como eram muitas as incursões dos inimigos de Israel contra o canteiro de obras, Zorobabel criou uma espécie de milícia para protegê-lo. Os pedreiros, ao mesmo tempo em que trabalhavam na construção, a defendiam, “mantendo em uma mão a trolha e a argamassa e na outra a espada”.
Esdras assim descreve essa restauração: “ No primeiro ano do rei Ciro, ele ordenou que a Casa de Deus, que há em Jerusalém fosse reedificada no lugar onde que se oferecem sacrifícios, e que se lhe pusessem uns fundamentos que sustentassem a altura de sessenta côvados, três fiadas de pedra por polir e do mesmo modo fileiras de madeira nova; e que a despesa se fizesse da casa do rei. E que restituíssem também os vasos de ouro e prata do Templo de Deus, que Nabucodonosor tirara do Templo de Jerusalém, e levara para a Babilônia, e que se reconduzissem para o Templo e os pusessem no seu lugar”.
Assim, foi graças á disposição do rei persa que Zorobabel voltou para Jerusalém, comandando um exército de construtores para reconstruir o Templo de Salomão. É nesse episódio que se fundamenta a lenda do grau 15.

A lenda do Grau 15

A lenda do grau 15 diz que alguns judeus que fugiram para o Egito por ocasião da invasão dos caldeus haviam voltado para Jerusalém após a conquista persa e constituído um grupo secreto para estudar e promover a reconstrução do Templo de Salomão. Esse grupo ― uma espécie de Loja Maçônica Operativa ― se mantinha na clandestinidade exatamente para evitar o ataque das populações hostis da região. Seus integrantes se identificavam através de palavras de passe e sinais secretos. Eram membros remanescentes daqueles Perfeitos e Sublimes Maçons, conhecedores da Palavra Sagrada, que são referidos no grau 14.
Zorobabel, ao voltar para Jerusalém, fez contato com eles e se fez reconhecer como um Perfeito e Sublime Maçom, dando-lhes a Palavra Sagrada. Vendo a firme disposição daqueles Irmãos em reconstruir o sagrado edifício, ele se empenhou junto ao rei Ciro para que ele permitisse e financiasse a reconstrução. O rei persa concordou, mas pressionou o líder judeu para que ele revelasse os segredos do grupo, ao que ele, valentemente resistiu. Comovido com a firme disposição dos judeus e impressionado com a fidelidade de Zorobabel, o rei se dispôs a ajudá-los, liberando todos os seus compatriotas para trabalhar na obra e fornecendo os recursos financeiros necessários, além de devolver os utensílios que Nabucodonosor, rei dos caldeus, havia pilhado por ocasião da conquista de Jerusalém cerca de quarenta anos antes. Foi então que Zorobabel voltou à Jerusalém, e junto com outro rabino, de nome Neemias, coordenou a reconstrução do Templo.

Símbolos e ensinamentos do grau

Entre os símbolos utilizados no ritual do grau 15, destacam-se, entre outros motivos, francamente inspirados em tradições cavalheirescas, a fita verde representando ossos, espadas inteiras e quebradas, e membros humanos decepados, desenhados sobre uma ponte onde estão marcadas as iniciais L.P. D. Essas iniciais, bem como esses símbolos evocam as batalhas travadas pelos israelitas para voltar para Jerusalém e defender as obras de reconstrução e também as próprias batalhas travadas pelos cruzados para conquistar e manter Jerusalém.
O ensinamento contido na simbologia do grau nos diz que por mais que o Irmão seja pressionado, seja pelas autoridades, seja pela sua própria condição de vida, ele jamais deve se afastar dos princípios ensinados pela boa maçonaria. Esses princípios estão calcados principalmente na fidelidade e na disposição de permanecer firme na postura ética e moral que adotou quando do seu ingresso na Ordem. Assim, ser um Cavaleiro do Oriente, significa seguir o exemplo de Zorobabel, que mesmo pressionado pelo rei persa para revelar os segredos da Irmandade, não entregou seus Irmãos, não revelou os segredos da Ordem, não compactuou nem se acovardou ante o ataque dos inimigos e prosseguiu, impassível, na resolução que tomou.
Assim deve ser o maçom. Uma vez tomada a resolução de “reconstruir o templo interno do seu espírito”, essa disposição não deve ser jamais abandonada. Deve empreendê-la com a coragem de um Cavaleiro de Cristo e a fé de um israelita. E sobretudo, crer que sua fé, seu zelo, fidelidade e coragem serão, afinal recompensados.
_______________________________________________________________

DO LIVRO "CONHECNDO A ARTE REAL", ED. MADRAS, SÃO PAULO, 2007.

João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 08/12/2010
Alterado em 14/12/2010


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras