João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


ENTRE A SOMBRA E A LUZ

 
Como toda moeda tem sua cara e coroa
Assim também o tempo tem noite e dia;
E não há tristeza se não houver a alegria
Ou metade ruim onde não há parte boa.
Dividido entre o que é falso e verdadeiro
Estruturado entre o positivo e o negativo,
O mundo oscila entre o ativo e o passivo,
Equilibrando entre o último e o primeiro;
Assim como existe o sagrado e o profano, 
Fluxos contrários, o que vai e o que vem,  
Nossa alma segrega o divino e o humano;
Também sem o fraco não haveria o forte,
Da mesma forma, nem o mal nem o bem.
E a eternidade da vida depende da morte.
                                                                                                                                
“ A imagem divina é dupla. Tem a cabeça luminosa e a cabeça sombria; o ideal branco e o ideal negro, a cabeça superior e a cabeça inferior. Uma é o sonho do Homem-Deus; a outra é suposição do Deus-Homem. Uma, a forma do Deus de Sabedoria; a outra é o ídolo do vulgo. “Toda luz, com efeito, supõe uma sombra, e não chega a ser claridade senão pela oposição dessa sombra.
“ A cabeça luminosa verte constantemente sobre a cabeça negra um rocio de esplendor. Abre-me, meu bem amado, disse Deus á Inteligência, posto que a minha cabeça está inundada de rocio e pelos cachos do meu cabelo resvalam as lágrimas da noite. Esse rocio é o maná de que se alimentam as almas dos justos. Os eleitos têm fome e a satisfazem com sobejo nas campinas do céu.
“Essas gotas são pérolas redondas, brilhantes como o diamante e límpidas como o cristal. São brancas e brilham com todas as cores, pois existe uma simples e única verdade: o esplendor de todas as coisas.”[1]

“ Se todos sob o céu reconhecerem o belo como belo,
Assim conhecerão o feio.
Se todos sob o Céu reconhecerem o bem como bem,
Assim conhecerão o mal.

Ser e não—ser engendram-se mutuamente.
Fácil e difícil completam-se.
Longo e curto delimitam-se.
Alto e baixo regulam-se.
Tom e som harmonizam-se.
Antes de depois sucedem-se.
[2]


                                       ∆


Esses versos do Tao Te King mostra que todo o antigo pensamento chinês se apoiava sobre a doutrina do equilíbrio perfeito. Yin e Yang. Céu e Terra, luz e trevas, escuro e claro, certo e errado. Para eles o universo era como uma moeda de duas faces. Por isso o Tao, o princípio de toda existência, era comparado a um rio. O rio só se forma se tiver duas margens. As águas só podem correr se houver duas margens para conter a sua torrente. Do contrário elas se espalham. Assim também acontecia com o universo.  Ele  precisa de duas forças contrárias para se compor e se equilibrar.
 
Esse mesmo princípio é encontrado na doutrina da Cabala. “A imagem divina é dupla. Tem a cabeça luminosa e a cabeça sombria; o ideal branco e o ideal negro; a cabeça superior e a cabeça inferior” (...). Aqui, luz e sombra, bem e mal, positivo e negativo, um deus bom e um deus mau, se contrastam e se opõem para gerar o universo e mantê-lo em eterno equilíbrio, pela ação de suas forças em oposição. Na física moderna essas duas forças são a dispersão e a aglutinação. Através da primeira o universo se expande. Aumenta de tamanho, ganha massa e volume. Pela segunda ele se contrai. Ganha força e interioridade. Essas duas forças equilibram o universo. Uma é regida pela relatividade, que faz a energia do universo se mover à velocidade da luz, formatando as realidades físicas; a outra é regida pela lei da gravidade, segundo a qual os corpos maiores tendem a reter em suas órbitas os corpos menores, formando os sistemas. Pela força da relatividade, o universo se expande e se dispersa; pela força da gravidade ele se encolhe e se organiza.
Como classificar essa maravilhosa intuição dos mestres taoístas e da Cabala? Como entender essa fantástica sensibilidade de homens que viveram há mais de dois mil anos atrás e nada tinham de recursos além da acuidade da sua visão e da profundidade de seus espíritos observadores?  
Aqui falamos de inequívocas deduções que correspondem às mais avançadas descobertas da física contemporânea. São intuições que valem não só para a moderna ciência, mas também para a filosofia. O que são o bem e o mal? Não é preciso que um se manifeste para que o outro possa ser notado? Quando saberemos se algo é bom se não tivermos uma ideia clara do que é ruim? 
É preciso a existência da dualidade para que exista o perfeito equilíbrio. Não há bem sem mal, positivo sem negativo, beleza sem feiura. Fora e dentro se completam e se harmonizam. Pode a saúde do corpo prosperar quando o espirito está doente? Pode a mente conservar-se sã, se o corpo não estiver saudável? No infinito todas as paralelas se encontram. Todo o universo se concentra em um único ponto. E se projeta, no infinito, como se fosse um cone de luz. Toda matéria tem uma “carteira de identidade, uma centelha inicial que lhe dá origem. O bóson de Higgs. Será que tudo isso não Deus escrevendo sua própria poesia?
Divina inspiração dos sábios. Maravilhosa poesia da Cabala.
 
 
 
 
[1] Comentários do Rabi Shimeon Ben Iochai- Sepher Dzneniûta- O Livro do Mistério Oculto. Citado por Eliphas Lévi- As Origens da Cabala-Ed. Pensamento , São Paulo, sd.
[2] Tao Te King- Verso II
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 13/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras