João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


                Capítulo 1
 
Discurso introdutório
 
1.   Este capítulo é dedicado ao aprendiz da Arte Real, e contém a sabedoria que lhe é lícito adquirir no seu grau. ² Refere-se aos antecedentes históricos, à filosofia e as práticas dos membros da Sublime Ordem dos Obreiros da Arte Real, coisas que todo neófito precisa saber antes de aprofundar-se nos Augustos Mistérios dos quais vai participar.
³A Arte Real é uma prática muito antiga que foi estabelecida pelos povos que alcançaram os mais graus mais altos de civilização. 4 Sua existência se fundamenta nos mais profundos anseios da alma humana, que é o estabelecimento e a manutenção de um estado ideal de ordem, estabilidade e progresso, que são condições indispensáveis à felicidade do ser humano.
5. Nossos mestres mais antigos acreditavam que esse estado ideal podia ser atingido pelo trabalho consciente e eficaz de um grupo de pessoas de boa vontade e comprometimento com esses ideais, pois eles viam o mundo como se ele fosse um grande edifício que é construído diariamente por cada uma das criaturas humanas nas ações que executa.
6. Assim, toda ação humana é considerada  como uma pedra posta na construção do edifício chamado Humanidade. 7 Para o bem ou para o mal, toda ação praticada pelo homem é contabilizada como um tijolo (ou pedra), posto nesse edifício, concorrendo para a sua estabilidade ou para a ruína.
8. Nesse sentido, iniciados ou não, todos somos pedreiros dessa obra. 9. Ao Obreiro da Arte Real cabe, porém, uma responsabilidade maior nesse canteiro de obras. 10. Porque ele sabe disso e a sua consciência está comprometida com esse trabalho através de um juramento feito perante os seus Irmãos, na intimidade sagrada de uma Loja.
11. Por isso, quando ele é admitido na Sublime Ordem dos Obreiros da Arte Real, lhe é exigido como obrigação solene o sacrifício de todas as suas paixões e a submissão de sua vontade pessoal a um propósito maior do que a simples realização dos seus objetivos individuais. 12. E ao fazer tal juramento ele se ombreia aos grandes vultos da humanidade, que antes dele assumiram idêntico compromisso.
13.  Ele também ganha uma nova família que se compromete com ele a ampará-lo em seu caminho para o aperfeiçoamento pessoal e espiritual. 14. Essa nova família não o afasta da sua família de sangue nem das suas afeições e compromissos da vida profana; ao invés, o faz mais consciente desses compromissos e o leva a cumpri-los com maior determinação, com mais amor e maior alegria, por que agora a sua consciência está desperta para um ideal mais alto do que aqueles que o simples cumprimento das obrigações cotidianas proporcionam.
15. O compromisso assumido pelo Aprendiz da Arte Real não tem nada de sectário e nem envolve qualquer simbolismo ligado á religião, crença ou objetivos inconfessáveis; trata-se, na verdade de um compromisso com uma filosofia de procura pela verdade filosófica e pela melhor forma de praticar uma vida útil e dedicada á felicidade do homem.
16. Por isso, a nenhum iniciado nos Augustos Mistérios da Arte Real é exigido que ele renuncie ás suas crenças religiosas, nem que prometa realizar ações que contradigam suas convicções pessoais, que violem seu código de ética ou contrariem disposições legais e morais vigentes no ordenamento jurídico do país em que vive, ou ofensivas ás tradições culturais nele existentes.
17. A Arte Real é, pois, filosofia e prática de vida, um modo de pensar e uma forma de viver. 18. Por isso, ela é chamada de arte operativa e especulativa ao mesmo tempo. 19. Especulativa porque busca descobrir, entre as produções do pensamento humano, aquele que melhor serve á construção desse estado social de ordem, estabilidade e progresso, sonhado pelo homem desde os primórdios do seu aparecimento sobre a terra; e operativa, porque, entre os comportamentos humanos, procura identificar aquele que se mais se aproxima do ideal para a edificação prática desse conceito no terreno das realidades sociais.[1]
20. Por isso o primeiro grau do simbolismo adotado pela Arte Real é o grau do Aprendiz. 21. Ele é dedicado á consagração do conceito de Fraternidade, como tal entendida a união dos Irmãos para a realização do ideal perseguido pela Ordem. 22. Esse ideal busca não só a união dos Irmãos pertencentes ao conjunto dos Obreiros da Arte Real, mas de toda a Humanidade.
23. A Arte Real é desenvolvida através de vários ritos de variadas inspirações. 24. Todos os ritos, porém, visam um único objetivo: desenvolver e propagar os princípios fundamentais da Maçonaria Universal, como Arte operativa e especulativa, destinada a promover o desenvolvimento pessoal dos Irmãos, e orientá-lo no sentido de utilizar esse aprendizado na realização do bem estar da sociedade em que ele vive.[2]
24. São vários os títulos aplicáveis ás diversas Lojas dos maçons. 25. Tradicionalmente elas se dividem em Lojas Simbólicas, Capitulares, Filosóficas e Administrativas, os quais, por sua vez se dividem em blocos de ensinamentos específicos, e estes em graus, titulados conforme cada tema neles trabalhado. 26. A Loja Simbólica corresponde aos três primeiros graus: Aprendiz, Companheiro e Mestre. 27. Nessa estrutura, a proposta é divulgar os fundamentos da Maçonaria, enquanto tradição herdada dos antigos pedreiros medievais. 28.  Não se exige que um iniciado maçom, ao colar os graus da Loja Simbólica, passe a frequentar os graus superiores. 29. Para que ele seja um maçom completo, basta que ele seja elevado ao grau de Mestre. 30 Porém, se o Irmão quiser conhecer, de fato, a Maçonaria, será preciso que ele suba todos os graus da chamada Escada de Jacó, alegoria que significa a passagem do maçom por todos os graus da Ordem.
31. Assim, o maçom é o pedreiro que busca construir o edifício da sociedade ideal. 32. Como especulativo, ele deverá trabalhar para a construção de um mundo onde a ética, a virtude e os bons costumes constituam o alicerce que dará sustentação á essa sociedade. 33 E como operativo, ele mesmo, em sua vida profana, deverá praticar esses princípios, dando exemplo de virtude, combatendo os vícios, vivendo com honestidade e jamais se afastando dos princípios consagrados pela Arte Real.   
 
[1] Os termos especulativo e operativo, entretanto, estão vinculados á história da maçonaria enquanto prática desenvolvida pelos grupos humanos que a desenvolveram. São duas fases distintas na história da Maçonaria. Maçons operativos eram os antigos pedreiros medievais que construíam os grandes edifícios da época, empregando conhecimentos de arquitetura e geometria, que só eram repassados por iniciação aos aprendizes por eles escolhidos. Operativos eram os maçons que adotaram a Maçonaria como veículo para a prática de uma filosofia de vida e de uma forma de pensar. Essa fase identifica-se com a Idade Moderna e o surgimento das ideias reformistas que culminaram com a Reforma Protestante e o estabelecimento dos estados modernos.
[2] Os principais ritos hoje praticados na Maçonaria são o Rito Escocês Antigo e Aceito, o Rito de York, que comporta dois ramos distintos, o inglês e americano, o rito Schöder, de origem alemã,  o Rito Moderno, e os ritos Adorhiramita, o Escocês Retificado e o Rito Templário.  No século XIX  eram mais de duzentos os ritos praticados, porém  hoje subsistem pouco mais de cinquenta, sendo o Rito de York, o Rito de Emulação, o Rito Escocês Antigo e Aceito e o Rito Moderno (também chamado de Rito Francês ou Moderno na Europa), os mais comuns. Juntos, estes três ritos congregam cerca de 99% dos maçons em todo o mundo. No Brasil foi criado o Rito Brasileiro, que está em franco desenvolvimento.

______________________
DO LIVRO "O TESTAMENTO DO MAÇOM"- NO PRELO
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 03/07/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras