João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


LIVRO SEGUNDO
 
O LIVRO DO COMPANHEIRO
 
A rebelião dos Companheiros
 
1 Foi também nesses antigos dias que Coré, filho de Isaar, e Datan e Abiron, filhos de Eliab,[1] se levantaram contra as ordens que emanavam do Conselho  dos Setenta e promoveram  uma rebelião, contestando a liderança de Moisés e dos Veneráveis da Lojas de Israel. 1 Essa foi a primeira dissidência a marcar a Fraternidade dos Irmãos de Israel, e manchá-las com a nódoa da traição. 2  Por isso se diz que esses foram os primeiros Jubelos a traírem os ideais da Arte Real. 
2. Porque esses traidores diziam que todos os israelitas eram santos e iniciados e não era justo que o Supremo Arquiteto do Universo falasse apenas a Moisés.1 E que essa distinção o fazia Senhor de todos os israelitas, da mesma forma que o era no Egito o faraó. 2  Porque Aarão e seus filhos haviam sido feitos sacerdotes e dignatários da Sabedoria Sagrada.[2]
3.  Reclamaram eles que a ו ״ ח fosse comunicada a todos os israelitas, ao que Moisés respondeu:[3]
 4 “ Acaso é pouco para vós que O Supremo Arquiteto do Universo vos tenha separado do todo o povo e os tenha chegado a Si para O servirdes no culto  do Tabernáculo e assistirdes diante de todo o povo, fazendo as funções do vosso ministério? 1 Quereis agora também usurpar para vós o sacerdócio?” [4]
5. E Moisés chamou a Aarão e todos os Veneráveis em congregação para dar julgamento aos três rebeldes, e os pôs diante da Congregação.1 E disse a todos que se separassem daqueles três pecadores, e que os isolassem, para que não sucedesse fossem contados com os rebeldes e também castigados por isso.[5]
 5  E o Grande Arquiteto do Universo os castigou fazendo a terra abrir a sua boca para tragá-los e os levou vivos para o inferno, eles e todos os que os apoiavam.[6]
 6 E este foi um dos acontecimentos que inspirou a lenda dos Jubelos, que ainda hoje é uma das metáforas mais importantes da Arte Real.
7. E tudo isso foi registrado por Moisés nos livros que ele escreveu e pode ser consultado por todos que queiram saber dessas coisas.
 
A Espada Flamígera
 
7  E foi depois disso que Moisés pediu a Aarão e a cada um dos doze Veneráveis que trouxes-sem ao Tabernáculo uma vara de vime e nela escrevessem  o nome de cada um deles.[7]
7 E isso foi feito para que o Supremo Arquiteto do Universo escolhesse um deles para ser o líder de todos. 1 Nessa ocasião, Moisés disse: a vara de quem pela manhã estiver florida, esse será o líder e não mais suscitareis discórdias entre vós.”
9. E sucedeu que a vara que floresceu foi a de Aarão e isso foi a confirmação de que Aarão era o escolhido Dele para exercer o Grão-Mestrado do agora Gran-de Oriente de Israel. 1 Pois que agora os israelitas formavam uma congregação de doze Lojas, representando as doze tribos de Israel.
 
10 E por causa da Vara de Aarão, que foi chamada de Vara da Confirmação, se criou, entre os Irmãos da Arte Real, o simbolismo da Espada Flamígera, pois é com ela que se confirmam todos os direitos adquiridos pelos Irmãos dentro das Lojas.
11 E tão logo morreu Aarão no Monte Hor, foi logo ali mesmo instalado como novo Grão-Mestre do Oriente de Israel a seu filho Eleazar, e este passou a conduzir os filhos de Israel. [8]
 
A Serpente de Bronze
 
12 E como estavam já muito tempo no deserto, os Irmãos começaram a cansar-se e a desacreditar das promessas que o Supremo Arquiteto do Universo lhes fizera pela boca de Moisés, que os conduziria a uma terra onde manava leite e mel, mas ao invés disso estavam todos morrendo principalmente por causa da picada de serpentes venenosas.
13 E foi por isso que o Supremo Arquiteto do Universo mandou que se fizesse uma Serpente de Bronze e que se a colocasse no centro do acampamento e todo aquele que fosse picado por serpentes venenosas, pois que elas eram numerosas naquela parte do deserto, ficava curado simplesmente olhando para ela. 1 O significado desta passagem os Irmãos aprendem pelos estudos mais aprofundados da Arte Real.2 Por enquanto é suficiente saber que a serpente é o símbolo da ressurreição do espírito, e a energia que ele contém pode ser captada através da postura física correta. [9]
 
A conquista de Canaã
 
14 As tribos de Israel atravessaram o Jordão e conquistaram as terras de Canaã, sob o comando de Josué, e este foi muito de muito agrado ao Grande Arquiteto do Universo. Por isso Ele o cumulou de vitórias.
15 E tudo que Josué fez para conquistar a terra prometida e como ele as distribuiu entre os filhos de Israel está descrito no livro que ele escreveu.
16 Ele conquistou todas as cidades daquela terra e passou a fio de espada o povo que habitava nelas, porque o Supremo Arquiteto do Universo não queria que o seu povo escolhido se misturasse com outros povos, que não O conheciam.
17 E Josué, antes de entregar a sua alma a Deus, exortou ao povo de Israel que permanecesse sempre em Loja, o que quer dizer que eles deviam conservar a Irmandade e seguir os preceitos que lhes haviam sido dados.[10]
18 Porque enquanto fossem uma Irmandade consagrada ao culto do Supremo Arquiteto do Universo, Ele os cumularia de bênçãos e favores e eles prosperariam e viveriam em paz e seriam felizes.
19 Por isso que O Grande Arquiteto do Universo os proibiu de casar-se com pessoas de diferentes raças, religiões ou costumes; e de adotar deuses pagãos e costumes estrangeiros, porque Israel era a Irmandade a Ele consagrada.
 20 E enquanto os filhos de Israel seguiram os preceitos que Ele lhes deu e obedeceram aos Seus Estatutos, o Grande Arquiteto do Universo manteve com eles sua Aliança e Israel viveu em paz e prosperou.
 21 Mas em toda a terra em volta os costumes, a religião e forma de viver dos Filhos de Israel causavam inveja e preocupação nos povos vizinhos.
22 Porque Israel era um povo fechado em sua tradição e não tinha comércio nem se misturava com eles, e se concentravam em suas próprias práticas, que eram muito diferentes daquelas que aqueles povos realizavam.
23 E os cananeus, os moabitas, os amoritas, os amalequitas, os filisteus e outros vizinhos viviam sempre em guerra contra os Irmãos de Israel, e estes, enquanto confiaram no Grande Arquiteto do Universo, sempre saíram vitoriosos.
24 Porque a Irmandade os unia e a fé era o seu escudo; mas quando eles desobedeciam ao Supremo Arquiteto do Universo, então seus exércitos eram derrotados pelos povos vizinhos e grande era a desolação daqueles Irmãos.
 
O começo das dissensões
 
25 Mas a Irmandade de Israel sobreviveu e prosperou sob o governo dos Grãos-Mestres que Grande Arquiteto do Universos suscitou para os governar
26 E esses Grãos-Mestres são aqueles que nos livros sagrados são chamados Juízes.
 27 Ora, o número dos Irmãos havia crescido muito e muitas eram as influências que eles haviam recebido dos seus vizinhos.
28 Assim, os rituais, as práticas e os costumes dos Filhos de Israel também acabaram sendo contaminadas, e as dissensões entre os Irmãos começaram a ser frequentes.
29 Já não bastava a existência de um Grão-Mestre para manter a unidade na Fraternidade dos Filhos de Israel, pois muitos eram os interesses das Lojas e no mais das vezes, conflitantes.
30 Outros ritos e diferentes ordenações começaram a ser criadas em muitas Lojas, o que provocou querelas muitos graves entre os Irmãos, inclusive com lutas armadas. 1 Essas dissensões estão todas registradas nos Livros que os cronistas da Irmandade de Israel escreveram para contar a história dessa que foi a primeira experiência maçônica da Humanidade.
31 E houve um individuo chamado Micas, que se fez Venerável Mestre da Loja de Dan, e esse Irmão, juntamente com um levita de nome Jonathan, neto de Moisés, fundou um novo Oriente em Dan, onde estabeleceu ritos diferentes daqueles usados na Lojas de Israel. 1 Essa Loja foi responsável pela introdução da idolatria entre os filhos de Israel, e causou separação e guerra entre os Irmãos.[11)
 
Fim da primeira fase
 
32 E essa foi a origem da primeira cisão (porque outras ocorreram) na Fraternidade de Israel, o que motivou Samuel, o último dos Grãos-Mestres da Primeira Fraternidade a separar a política da religião e a ungir um rei para governar os Irmãos e um sacerdote para cuidar do culto.
33 E assim terminou a primeira fase da Fraternidade dos Obreiros da Arte Real, aquela organização que Moisés fundou para congregar os filhos de Israel numa grande egrégora;1 A qual tinha como objetivo profano o cultivo da paz, a amizade, a prosperidade mútua do povo Eleito. 2 E como objetivo sagrado construir o edifício do caráter humano, levantando  templos à virtude e sepultando em inescrutáveis masmorras os vícios que condenam a alma a uma indigna servidão.   
 
[1]Números, 16:1
[2] Números, 16 3 a 5
[3] Referência á Palavra Sagrada, ou seja, o Inefável Nome de Deus.
[4] Números, 16 4 a 7
[5] Números, 16, 25 a 34
[6] Números, 16 35
[7] Números, 17
[8] Números, 20 27,28
[9] Números, 21 4 a 9
[10] Josué, 24
[11] Josué, 18
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 31/08/2014
Alterado em 31/08/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras