João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


CAPÍTULO XIV
 
A Arca da Aliança
 
 
1.E aconteceu nos últimos dias de Samuel que os filisteus atacaram os Irmãos de Israel e os venceram em batalha.[1]
2 E a Arca da Aliança, que era o símbolo do concerto que havia entre os filhos de Israel e o Grande Arquiteto do Universo, pois que nela estavam guardadas as Tábuas da Lei, foi capturada pelos filisteus. [2]
3 Mas o Grão-Mestre Samuel,  a testa de um destacamento de bravos Irmãos recuperou a Arca e a levou para a Loja de Iarim, que fica a oeste de Jerusalém (pois ali ela ficaria segura). 1 Este episódio é referido em nas Lojas Filosóficas atuais para lembrar aos Irmãos sobre a importância de se manter a fidelidade aos princípios consagrados na Irmandade.
4 Todavia, os Irmãos Israelitas, vendo que já não bastava um Grão-Mestre para governar os filhos de Israel, pediram a Samuel que lhe desse um rei, para que, da mesma forma que acontecia em outras nações, eles pudessem ter um comando forte nos momentos de perigo.[3]
 
O profano e o sagrado
 
5 E por ordem do Supremo Arquiteto do Universo, Samuel escolheu Saul, da Loja de Benjamim para reinar sobre Israel e a Heli, um de seus filhos, como Grão-Mestre da Fraternidade, agora com sua forma separada, de um lado os assuntos profanos, administrados por um rei, de outro os assuntos sagrados, ministrados por um Grão Mestre.[4]
 6 Mas Saul não obrou bem aos olhos do Grande Arquiteto do Universo, pois não seguiu os ritos ditados pela Lei nem atendeu aos Estatutos ditados pelo Grande Arquiteto do Universo;1 Razão pela qual foi ele vencido em batalha pelos filisteus, e perdeu o trono para Davi, o Ungido, que tinha se tornado um grande herói para os Irmãos [5]de Israel, matando o gigante filisteu Golias.
 
Davi, o grande rei
 
7 E Davi bateu todos os inimigos em batalha , unificando o reino de Israel e estabelecendo a capital em Jerusalém, a cidade fortificada dos jebuseus, que ele tomou.
8 E o Grande Arquiteto do Universo dele se agradou e lhe prometeu  um longo e  profícuo  reinado, a ele e á sua posteridade
de.
8 E com a morte de  Heli, o Grande Arquiteto do Universo ordenou a Davi que se fizesse Sumo Sacerdote a Sadoc, um levita dos mais qualificados entre os guardiões do culto.
10 Mas Israel não era mais uma Fraternidade na forma como Moisés a fundara, pois que agora se tornara uma nação semelhante às outras nações da terra, com uma face profana, administrada por uma burocracia administrativa semelhante a existente em qualquer estado, e uma face sagrada, que deu origem a uma religião nacional.
11 E dentro dessa estrutura religiosa, como depositários dos segredos mais importantes dessa religião, destacou-se um grupo, que doravante trabalharia em apartado, para conservá-los e transmiti-los somente a uns pouco iniciados nos Mistérios do Grande Arquiteto do Universo. 1 Esse grupo era composto pela Loja dos Levitas, os quais conservavam a guarda dos segredos da Arte Real.
 
O rei Salomão
 
12. Depois o Grande Arquiteto do Universo mandou que Salomão, filho de Davi, que o sucedera no trono, reconstituísse, em novas bases, a Fraternidade dos filhos de Israel.
13 E a segunda Fraternidade dos Obreiros da Arte Real, de qual Salomão foi o fundador, Sadoc o Venerável Mestre e Hiram e Adonirã os seus Primeiro e Segundo Vigilantes, teve inicio no ano de 975 antes do Nascimento do Nosso Senhor Jesus Cristo, tendo a Grande Loja de Jerusalém como base.[6]
 
A Grande Loja de Jerusalém
 
14 E essa Loja, que agora congregava apenas uma parte escolhida dos Filhos de Israel foi fundada nos canteiros de obras do Templo que Salomão construiu em Jerusalém para honrar o Grande Arquiteto do Universo.[7]
1 Esta é a famosa Escola de Arquitetura, da qual se fala nos ensinamentos dos Capítulos das modernas Lojas da Arte Real. [8]
14  E em Gezer, Megiddo e Hazor, Salomão construiu outros Templos menores, para sediar as Lojas dos Filhos de Israel, mas nenhuma foi tão grande e tão majestosa quanto a que se ins-talou no grande Templo de Jerusalém.
15 E desta segunda Fraternidade  dos Obreiros da Arte Real todos os Irmãos tem conhecimento, porquanto é dela que se originam as tradições que são cultivadas nas Lojas de hoje.
 
A sabedoria de Salomão
 
16 Assim que Salomão se firmou como rei de Israel ele orou ao Grande Arquiteto do Universo pedindo-lhe que mais que riquezas e poder Ele lhe concedesse um coração justo e uma mente sábia para que ele pudesse reinar com sabedoria e julgar com Justiça.
17 O Grande Arquiteto do Universo lhe deu o que ele pediu, e ele foi o mais sábio e mais justo dos homens até então nascido.
18 E essa sabedoria ele mostrou julgando o difícil caso das duas mulheres que disputavam uma criança recém nascida. 1
. Porque ambas deram a luz a duas crianças, na mesma hora e local, e uma delas nasceu morta. 19. E a mãe daquela que teve a criança morta quis disputar com a outra a criança que sobrevivera.
20.E não se sabendo quem era a verdadeira mãe da criança Salomão mandou que se cortasse ao meio o recém nascido e se desse metade dele a cada uma das mães.
21. A falsa mãe concordou com a sentença dizendo que se ela não podia ter a criança viva para ela, era melhor que esta morresse, mas a verdadeira mãe preferiu renunciar a ela do que vê-la morta.
22. E assim Salomão soube, pela demonstração do amor materno quem era a verdadeira mãe. 
22. E essa foi uma mostra da sua grande sabedoria, que depois foi provada nos livros que ele escreveu. [9]
 
Os doze Intendentes
 
23. E ele a mostrou também na organização que deu ao reino, organizando-o em doze Lojas nas quais colocou doze Governadores de sua confiança, que eram, respectivamente; Ben-Hur, Ben-Decar, Bem-Hesed, Bem-Hamidab-Bana, Ben-Gaber, Ainadab, Aquimaas, Baana, Josafat, Semei e Gaber, os quais ministravam o culto e forneciam ao rei e a sua corte todo o necessário para o seu sustento.[10]
24. E assim, o Grande Oriente de Israel foi reorganizado novamente como uma grande Fraternidade.
 
Preparativos para a construção do Templo
 
25 Depois disso, Salomão escreveu ao rei Hiram da Fenícia uma carta nestes termos: 1 Sabe Vossa Majestade que meu pai prometeu erigir um templo ao Grande Arquiteto do Universo.
26. Mas as guerras em que ele se envolveu não o permitiram.
27. Mas eu tive o privilégio de reinar em paz, e portanto tenho condições de cumprir essa tarefa que O Grande Arquiteto do Universo me confiou.

28. Então eu solicito a Vossa Majestade que me envie trabalhadores ao Monte Líbano para cortar toda a madeira necessária para essa construção, pela qual pagarei o preço que for combinado.[11]
29. E o rei da Fenícia respondeu a Salomão:1 “ Graças ao Grande Arquiteto do Universo que o vosso pai tenha deixado o trono para Vossa Majestade, que é sábio e virtuoso. 2 Eu estou a vossa disposição e o servirei em tudo que necessitais para essa tarefa. 3 Eu vos mandarei todo a madeira de cedro e cipreste que me pedistes. 4 Eu as mandarei de barco para o lugar que indicastes para que  possais transportá-las para Jerusalém. 5 Em troca delas mandai-nos grãos e azeite suficientes para alimentar meu povo, pois nossa terra é pobre nesse mister e a vossa extremamente rica.[12]
30 E então Salomão convocou trinta mil trabalhadores para cortar e acarretar as madeiras desde o Monte Líbano até Jerusalém, fazendo-os trabalhar em grupos de dez mil.[13]
31. E depois de cortadas as madeiras Salomão ajuntou outros milhares de trabalhadores, para aparelhar, transportar e dispor as madeiras e tirar pedras nas pedreiras, lavrando-as, desbastando-as e facejando-as, fazendo a umas pedras de alicerce, a outras pedras de canto e parede, a outras de acabamento, de sorte que todo material ficasse pronto para a grande obra do Templo.[14]
 
Aprendizes, companheiros e mestres
 
31. E esses trabalhadores foram dispostos em três níveis porque eram ao todo cento e cinquenta mil , sendo  os de terceiro nível os cortadores de madeira, os cabouqueiros, os aguadeiros  e os serventes de todos os tipos, os de segundo nível os cor-tadores e aparelhadores que lavravam as pedras e as ma-deiras.[15]
32. Destes, muitos eram estrangeiros vindos da Fenícia e do pais dos giblios, que eram famosos pelo trabalho na pedra.[16]
33. E outros, em número de três mil e trezentos, que davam as ordens e supervisionavam os trabalhadores, formavam os trabalhadores de terceiro nível.1 E foi nessa formação que a Arte Real se inspirou para montar a estrutura da moderna Loja dos Obreiros,dividida em Aprendizes, Companheiros e Mestres. 
 
 
[1]Reis,I, 4
[2] Idem, 5, 1 a 5
[3] Reis I, 4 4 a 8
[4] Idem, 10 11 a 26
[6] Reis III, 10
[7] Idem, 10 1 a 10
[8] Vide Ritual dos Graus Filosóficos, que fala sobre os Intendentes dos Edifícios.
[9] Reis III- 4
[10] Idem, 4 7 a 10
[11] Reis III, 5
[12] Idem, 5 7 a 12
[13] Idem, 5 13a 16.
[14] Idem, 5 17
[15] Ibidem, 5 16
[16] Reis III, 5, 18
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 19/09/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras