João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


A figura patriarcal de Deus era uma visão exterior que os sábios de Israel comunicavam ao povo. Internamente, porém, para aqueles que se especializavam na teologia da sua religião, outros conceitos, de extrema sutileza espiritual, foram desenvolvidos. Esses conceitos, que são aqueles expressos nos chamados comentários rabínicos, mostram uma visão completamente diferente da Divindade, que neles aparece na sua forma mais abstrata. Essa visão está presente, fundamentalmente, na doutrina desenvolvida pela tradição da Cabala.[1]
       Para a Cabala, Deus é uma idéia arquetípica, comum a todos os povos e pessoas. Ele existe independente do fato de acreditarmos nele ou não. Aliás, não existe crença na não existência de Deus, mas sim, ausência de conceito sobre o que, ou quem Ele é. Isso quer dizer que o ateísmo, assim chamada a proposta filosófica que nega a existência de Deus, não significa que seus cultores acreditem que Deus não existe, mas sim que eles não têm nenhuma idéia a respeito dele. Justifica-se essa assertiva pelo fato de que a nossa mente, que trabalha com comando binário, não pode negar nada a priori, sem antes admitir a possibilidade da existência do objeto negado. Assim, para dizer que Deus não existe, a nossa mente precisa primeiro admitir a possibilidade da sua existência.[2]
      O mundo é uma realidade sensível, observável e detectável por todos os nossos sentidos. Se ele está aqui é porque alguém o iniciou. Não existe consequência sem causa, o que quer dizer que tudo que existe tem uma causa de existir. Foi para superar a dificuldade que a mente humana sempre teve para pensar o começo do universo e a pré-existência da força que o criou, que os cabalistas desenvolveram o conceito da Existência Negativa. 
 

  Existência Positiva e Existência Negativa

      Existência Negativa” e “Existência Positiva” são termos utilizados pelos cultores da Cabala mística para designar Deus “antes” e “depois” de fazer o mundo. Nesse sistema, Deus (Ein Sof, ou Ayn Sof, (אין סוף em hebraico), é visto como uma forma de "energia" que em dado momento expandiu-se para fora de si mesmo, tornando-se o universo material (Ain Sof Aur), que na Cabala significa Luz Ilimitada, ou seja o universo que saiu da primeira manifestação positiva de Deus no mundo da matéria.    
      Essa visão mística do nascimento do universo, definida no Livro do Mistério Oculto (SeferHaDziniuta), diz que “antes que o equilíbrio de consolidasse, o semblante não tinha semblante”.[3].
      Aqui está inserta a estranha idéia de que antes de fazer o mundo, ou seja, antes de Deus manifestar-se como existência no mundo das realidades sensíveis, Ele já existia como uma potência, que embora não manifesta, já continha todos os atributos do universo manifestado. Ele era uma “existência negativa”, na qual a mente humana não pode penetrar justamente porque ela só pode conceber um plano de existência positiva, onde as ações podem ser identificadas e suas causas recenseadas.
     Agora, como capturar uma realidade que está além da nossa capacidade de mentalização? Sabemos que ela existe porque suas manifestações emanam para o plano da realidade sensível e é causa de fenômenos observáveis e mensuráveis. Quem sabe o que é a eletricidade, por exemplo? Sabemos como ela se manifesta, como atua e até já aprendemos a usá-la para as nossas finalidades, mas o que ela é, nenhum cientista, ou filósofo, até agora, ousou definir.[4]
      “Antes que o equilíbrio se manifestasse, o semblante não tinha semblante” é uma forma metafórica de explicar aquilo que a nossa linguagem não consegue articular num discurso lógico. Então a nossa mente recorre á metáfora, para dizer que Deus já existia antes de existir. Ou seja, antes que o universo adquirisse uma forma, Ele era uma presença sem forma, sem nome, impossível de ser pensado pela mente humana. Ou como diz Rosenroth “ o universo inteiro é a vestimenta da Divindade: Ele não apenas contém tudo, mas também Ele mesmo é tudo e existe em tudo.”[5]
    
      Outra visão dessa realidade pode ser posta em forma de símbolo. Os cultores da Cabala mística dizem que “Deus é pressão”, e que sua manifestação no mundo das realidades fenomênicas tem a forma de um círculo cujo centro está em toda parte e cuja circunferência está em parte alguma. Sabemos que todo círculo tem um centro e uma circunferência. O centro é o ponto de onde ele emana e a circunferência uma corda que o limita. Dizer que o centro do círculo está em toda parte e que sua circunferência está em parte alguma é falar de um espaço que não começa em ponto algum e não acaba em lugar nenhum, uma dimensão sem início nem fim. Ou como diz MacGregor Mathers, “ O oceano sem limites da luz negativa não procede de um centro, pois não o possui. Ao contrário, é essa luz negativa que concentra um centro, a qual é a primeira das sefiroths, manifestas, Kether, a Coroa.”[6]     
      Assim, essa idéia da divindade supre a necessidade que a mente humana tem de situar um início para o universo e imaginar, não um fim para ele, mas uma finalidade. Destarte, a dimensão da Existência Negativa é um momento anterior á qualquer manifestação da Divindade no terreno das realidades positivas, ou seja, um estado latente de potência concentrada em si mesma, que em dado momento cedeu á “pressão” interna da sua própria potencialidade e “gerou a si mesmo”.
     Figurativamente, o Big Bang seria o “parto de Deus”, o qual, simbolicamente poderia ser representado por um ponto dentro do círculo, como o faz Madame Blavatsky em sua cosmogonia da criação.[7]
 
O Aleph
   
      Daí deriva também a tradição, comum entre os cabalistas, de representar Deus através da letra Aleph(), que simboliza o começo de algo. O Alef tem um papel fundamental no entendimento da cosmogonia cabalística.  
    Por isso é que o desenho dessa letra, é, na verdade, feito de três letras diferentes, ou seja, dois yods, um embaixo, outro em cima e um vav, que é a barra transversal.
   Sabemos que a letra yod ( י), na tradição hebraica, simboliza a presença manifesta de Deus no mundo das realidades fenomênicas. E a letra vav (ו), simboliza o mundo manifesto. Dessa forma, um yod acima significa Deus em cima e o yod abaixo significa a vida, na qual ele se manifesta. Há outras interpretações do significado dessa letra, que não cabem no contexto deste estudo, mas no geral é através do Aleph que a Cabala representa a unidade de Deus com a sua criação.
    Por outro lado, sabe-se também que toda letra do alfabeto hebraico, além de representar um significado, também representa um som e um valor numérico. O valor numérico é obtido pela técnica da guematria. Assim, temos que o valor numérico do Aleph é um, que simboliza a unidade de Deus. Sendo ele formado por três letras (dois yods e um vav), seu valor final de base é 26, já que um yod tem valor numérico igual a 10 e um vav é igual a 6 (10+10+6= 26), que corresponde, na grafia alfabética do sistema hebraico ao Tetragramaton, ou seja, o Inefável Nome de Deus, que é composto pelas quatro letras letras Y-H-V-H. Como a guematria do Yod (=10), o Hei (=5), o Vav (=6) e o Hei (=5) totalizam 26, verifica-se a correspondência que esse símbolo tem com aquele representado pela letra Aleph.
     Segundo o Rebe[8], o Aleph tem três significados diferentes. Um é deles é aluf, que significa mestre ou chefe. O segundo é ulfana, definido como uma escola de aprendizado, ou doutrina. O terceiro significado é obtido quando se leem as letras da palavra Aleph (alef) de trás para a frente ( pronuncia-se pelê), que quer dizer maravilhosa. A definição de Aluf como sendo "mestre", significa que Deus é o Mestre do universo, ou seja, um Olho que tudo vê, um Ouvido que tudo ouve, uma Boca que tudo fala, uma Sensibilidade que tudo sente.Daí a definição que dele dá a Shepher Dtzniouta(O Livro do Mistério Oculto), que o chama de O Vasto Semblante.[9] Isso significa que o universo não emergiu simplesmente por si mesmo, mas que há um Princípio Energético onipotente que o forjou  a partir do nada cósmico. Por isso Deus é Aluf, o Mestre do universo.
      Assim, o Aleph seria o ponto único, primeiro e funda-mental, no qual tudo que existe, existiu e existirá, está contido. Por isso, no sistema numeral hebraico, ele é representado pelo número 1, ou seja, a expressão numérica da divindade. É nele, que passado, presente e futuro, em todas suas manifestações, se apresentam concomitantemente, na mais ínfima fração de tempo e espaço, que só pode ser representado pela unidade.


 
     Em física, o chamado Bóson de Higs seria, talvez, uma boa analogia para termos uma idéia desse conceito em termos científicos. Essa analogia vem do fato de alguns cientistas chamarem esse grão de energia de “partícula Deus”,  o qual seria uma espécie de DNA do universo, ou seja, o elemento fundamental da energia, que permite que a matéria universal nela contida se converta em massa.
     Há muito tempo os estudiosos vêm procurando o chamado “bossom de Higs”, nome dado a essa partícula, cuja existência foi intuída pelo cientista Peter Higs nos idos de 1964, quando ele e seus colegas estavam procurando provar a existência de “blocos padrões” na composição da matéria universal. 
     A notícia encheu de júbilo a comunidade científica e recebeu grande destaque em toda a mídia mundial, sendo publicada nos grandes jornais do mundo inteiro, como o Times de Londres, o New York Times, o Los Angeles Times, o Pravda de Moscou, o Estadão e o Globo no Brasil e outros órgãos da grande imprensa mundial. Essa, segundo quem entende do assunto, pode ser a maior descoberta da ciência física depois das Teorias da Gravidade e da Relatividade.  A notícia foi dada inicialmente pelo Times londrino, que a publicou com o título: “A Semana Passada Mudou Tudo”, dizendo que durante mais de 20 anos, os cientistas de todo o mundo tem tentado provar a existência da partícula invisível que determina as propriedades básicas da matéria. A existência dessa partícula já tinha sido intuída nos anos sessenta pelo físico Higs, mas só agora sua existência real foi detectada em trabalhos de laboratório. Essa descoberta representa uma nova revolução na ciência física astronômica. “O bóson de Higgs não é apenas uma partícula”, disse o físico John March-Russell, do CEEN (Centro Europeu de Energia Nuclear). “Sua descoberta indica que existe um mundo totalmente novo lá fora e se conseguirmos entender como ele atua no universo, seremos capazes de responder como o universo está sendo construído”.
 
     Em literatura, a melhor definição desse grão de energia fundamental foi dada pelo escrito argentino Jorge Luis Borges, em um famoso conto que leva esse nome. [10]

 

[1] Diz-se que a Torah, ou seja, os livros que compõem o chamado Pentateuco, foram transmitidos á Moises de duas formas: uma forma oral e outra escrita. A escrita é a consta da Bíblia; a oral é a que foi desenvolvida pelos comentários rabínicos (as mishnás) constante dos Talmudes. A Cabala é uma parte desses comentários, que desenvolve um sistema moral e cosmogônico para explicar a realidade universal e a presença e a ação de Deus nesse processo.
[2] Em psicologia essa característica da nossa mente se chama assertividade. Significa que eu “não posso não fazer uma coisa”, sem antes pensar na possibilida de fazê-la. Exemplo. Para eu saber o que é ruim, preciso ter uma idéia do que é bom. Para eu dizer que algo é escuro, tenho que saber o que é claro. Para eu “não comer” doce, preciso primeiro ter uma ideía do que é  comer doce. Assim, eu não posso negqr um conceito que não existe em minha mente.
[3] Knorr Von Rosenroth-Kabballá Revelada-Madras, 2004.
[4] Uma das mais bizarras definições da energia contida no núcleo do átomo é aquela que diz que o elétron é ” uma torção do nada negativamente carregado.” Afirmação paradoxal, mas perfeitamente possível no mundo da física atômica. Essa definição, citada por Pawels e Bergier (O Despertar dos Mágicos, pg. 204) foi proposta pelo físico León Brillouin e utilizada por Robert Andrew Mullikan, que ganhou o Prêmio Nobel por suas descobertas na área da física nuclear.
[5] A Kabballá Revelada, op. Citado, pg. 66. Esse conceito da Divindade também é agasalhado na Baghavad Guita, que define Brhaman como “o tudo que no nada está contido”.
[6] Citado por Dion Fortune- Cabala Mística, pg 36
[7] Helena F. Blavatsky- Síntese da Doutrina Secreta- Ed. Pensamento, SP, sd.
[8] Rabi Shneur Zalman de Liadi. Rebe é a denominação de uma escola rabínica de estudos cabalísticos.
[9] Knorr Von Rosentoth- A Kabballah Revelada- Madras, 2005                       
[10]Jorge Luis Borges- O Aleph- Ed. Globo, 1993..
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 07/11/2014
Alterado em 08/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras