João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


COMPANHEIRISMO E AMIZADE
 

Você sabia que há 20 anos atrás uma pessoa adulta tinha pelo 3.5 amigos de verdade com quem podia dividir suas alegrias e tristezas e que hoje essa média caiu para 2? E que pelo menos ¼ delas não tem ninguém a quem possa ser dado esse título? Esse foi o resultado de um levantamento realizado por um instituto americano de pesquisa de comportamento. A mesma pesquisa apurou que uma pessoa normal – e normal aqui é aquela que não rasga dinheiro nem sai atirando a esmo nas outras – tem, em média, pelo menos 750 conhecidos num universo de parentes, amigos íntimos e conhecidos de todo tipo (de vista, nome, etc). Mas não se encontrou ninguém que apontasse pelo menos 5 pessoas em quem realmente pudessem confiar suas intimidades ou revelar algo de pessoal.
Você se lembra quando isso era feito até com ocasionais companheiros que se encontrava em um bar e depois de meia hora de converse a gente já estava trocando confidências? Hoje, essa doce camaradagem já está sendo difícil de encontrar até mesmo entre parceiros da vida – como deveriam ser maridos e mulheres – e inclusive sócios ou pessoas que comungam de mútuos interesses.
Mudou a amizade ou mudamos nós? A pesquisa mostra também que os mais solitários estão entre os jovens universitários que terminaram a faculdade e perderam contato com os colegas e entre os aposentados que trabalharam a maior parte das suas vidas profissionais em uma única empresa. A grande maioria não conseguiu fazer novos amigos e foram principalmente as pessoas de meia idade – 50 a 60 anos – que encontraram maior dificuldade para se relacionar com pessoas desconhecidas.
Essa queda no nível da amizade vai se agravando pelo declínio das atividades comunitárias, tais como a freqüência às igrejas, clubes, atividades esportivas, etc. Você se ainda se lembra como era bom aquele futebolzinho dos domingos, os bailinhos de fim de semana, o flerte nas praças e nas quermesses, o velho papo descompromissado dos barzinhos?
Ah! Não diga que tudo isso acontecia por que você era jovem e tinha tempo e disposição para isso. Atividades comunitárias não são privilégios de quem tem vinte, quarenta ou sessenta anos. Podem ser praticadas por quem quiser e tiver vontade. Não precisa envolver necessariamente esforço físico.
Essa mesma pesquisa mostrou que a confiança entre colegas de trabalho declinou de 29% (dados de 1990) para 18%, em números de 2010. E que a competição é a principal responsável pelo alargamento na fenda da amizade e pelo declínio da confiança entre as pessoas.
Pense bem nisso e se você ainda não sentiu nenhum prazer em assistir o Big Brother, para ver como as pessoas conseguem exercer suas habilidades psicológicas para derrubar os adversários, então talvez possa ajudar a nossa comunidade a recuperar a velha cultura da amizade. Cultive esse velho e bom hábito antes que ele desapareça por completo. E o melhor lugar para começar a fazer isso é um clube de serviços. Conheça um Lions Clube. Amizade e companheirismo ainda têm costume de bater ponto por lá.
 
 
 
 
 
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 26/01/2015
Alterado em 26/01/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras