João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


Livro: A culpa é das estrelas
Autor: John Green        
Editora: Intrínseca- 2102
Categoria: Romance
 
“A Culpa é das Estrelas” é um best-seller escrito por John Green que já vendeu milhões de cópias no mundo todo e já ganhou uma adaptação para o cinema. É uma bela história de amor entre adolescentes, só que são adolescentes bem diferentes: todos eles têm câncer.
Hazel e Augustus se encontram em uma ONG que promove reuniões com pacientes portadores de câncer e se apaixonam. É uma organização do tipo Alcoólicos Anônimos, onde cada um conta sua experiência com a doença e diz para os outros como está conseguindo conviver com ela.
Hazel e Augustus são jovens bem preparados intelectualmente e sabem das suas limitações. Sabem também que não devem ter esperança de cura e nem de uma vida normal e longa. Por consequência concluem que devem viver o pouco de vida que lhes resta da melhor forma possível. E a forma que eles descobriram foi o amor. Hazel e Augustus são dois personagens cativantes, pela forma de pensar e de viver. Há outros personagens interessantes na história, como o amalucado escritor Peter Van Houten, cujo livro fornece boa parte do estofo da história, já que é buscando respostas para os enigmas que o escritor coloca no seu livro que os dois adolescentes constroem a sua própria história de amor e encontram respostas para seus próprios problemas.
A morte é vista aqui de uma maneira muito particular. Não é um dramalhão como geralmente se encontra em histórias desse tipo. Tanto faz rir como chorar. Como disse o New York Times, ao comentar o lançamento do livro, trata-se de “um misto de melancolia, doçura, filosofia e diversão”. E realmente encontramos nessa singular e enternecedora novela um pouco de tudo isso. Talvez até mais filosofia do que em muitos tratados da espécie. E muita poesia também. Como diz a personagem principal, a adolescente Hazel, “existe uma quantidade infinita de números entre 0 e 1.Existe o  0,1, 02, 0,12, 0,112, e assim por diante. E entre 0 e 2 um conjunto ainda maior, assim como entre 0 e 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros...Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter”. Isso é pura filosofia. Hazel e todos os adolescentes do grupo sabem que suas vidas são conjuntos feitos de uma quantidade de números menores do que a maioria das pessoas tem. Mas sabem também que entre os limites das suas estreitas existências há uma vida infinita para se viver. Nisso é que está a poesia da coisa e a beleza da filosofia posta nessa encantadora história. Hazel e Augustus vivem suas vidas como se fossem borboletas. Apenas com a diferença de que sabem que elas serão fugazes como a vida das borboletas. Mas ainda assim conseguem transmitir, com sua história, uma mensagem de beleza e ternura que dificilmente será esquecida por quem a leu.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 06/04/2015
Alterado em 06/04/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras