João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


 A vida tem sentido? Essa pergunta tem sido feita desde que o primeiro homem teve consciência de si mesmo e perguntou-se o que ele era no contexto geral da natureza e qual seria o seu papel nesse processo todo. Nascia, concomitante com esse questionamento, esse estranho campo de investigação do pensamento humano, que é a metafísica, ou, como querem alguns estudiosos, a ontologia.[1]
Na Bíblia esse questionamento já aparece em especulações feitas pelo salmista quando pergunta a Deus : Que é o homem mortal para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites? Pois pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste.[2/
O poeta que fez essa especulação não tinha, como é óbvio, as dúvidas levantadas por Platão e Aristóteles, nem por pensadores mais recentes como Kant, Spinoza, Nietzsche, Sartre e outros que se debruçaram sobre essa espinhosa questão de encontrar um porque de existir e ser como somos em um mundo onde a vida só parece ter o valor que nós mesmos lhe damos e por  isso ela seria apenas uma jornada entre o ser e o nada.[3]
     Isso porque os hebreus, antecessores dos judeus, ao intuírem a idéia da existência de um Deus único, acabaram também dando resposta á essa questão, situando o homem no centro de um processo divino de construção cósmica, que tem início, meio e fim. Com isso criaram uma escatologia onde tudo converge para um resultado, no qual o ser humano é um ator de fundamental importância.[4]
    A questão da finalidade da vida e da importância do homem no processo de construção e desenvolvimento do universo sempre foi tema central em praticamente todas as religiões. O Taoísmo, antiga filosofia dos chineses, por exemplo, dava pouca importância ao homem na condução desse processo, embora fizesse dele o agente responsável pelo preenchimento do chamado “vazio cósmico”, pois sendo ele o estofo da chamada “ Cem Famílias”, era para ela que o Tao, Princípio Único que dá origem e comanda todas as coisas, atuava.[5] Todavia, para os taoístas, o homem, individualmente considerado, tem um significado e uma importância apenas factual. [6]
Já a filosofia vedanta, desenvolvida pelos sãibios do hinduísmo, concede ao homem uma grande responsabilidade nesse processo, porém sua atividade é, de certa forma, nociva, pois o homem, agindo sempre pela força do ego, acaba criando um mundo ilusório (maya), eivado de culpa e maldade, que o faz gerar um karma ruim para si mesmo. Dessa forma, toda a atividade humana estaria sujeita ao dilema do agir ou não agir, pois não agindo o homem sujeita seu ego a uma imobilidade que o isenta de culpa, ao passo que, agindo, a sua culpa se acumula. Daí a filosofia dos Vedas ter se preocupado em encontrar uma fórmula que resolvesse esse impasse. Um dos caminhos foi o desenvolvido pelos sábios que criaram a Ioga e as técnicas de meditação como forma de purificar a mente das impurezas da matéria e com isso alcançar a iluminação. Esse é o caminho seguido pelos iogues e pelos adeptos da mentepsicose, incluindo nesse rol os discípulos de Sidarta Gautama, conhecido como Buda.
Outro caminho é o preconizado pela Baghavad Guita, a Sublime Canção, que pretende ensinar o caminho para o reto-agir, ou seja, uma fórmula de auto-conhecimento, mediante o qual o homem pode realizar as ações corretas sem contaminar-se pelos desejos egoístas e assim, isentar-se de culpa. No fundo, a poesia da Guita repete os preceitos da doutrina socrática no sentido de só pode descobrir o sentido da vida aquele que aprende a conhecer a si mesmo.[7]
      Esse também é o caminho da Cabala, como veremos no desenvolver deste estudo. 
(continua)

 
[1] Ontologia (do grego ontos+logoi) "conhecimento do ser") é a parte da filosofia que trata da natureza do ser, enquanto existência física e das causas transcendentais que sustentam essa existência. Nas obras de  Emmanuel Kant ela é tratada como parte da metafísica, ou seja, um segmento da filosofia que investiga a causa primeira de todas as coisas existentes no universo real.Aqui inclui-se também a psicologia e a teologia, que estudam a atividade psiquica do homem e a sua relação com a divindade.
[2] Salmos, 8:4
[3] Referência á obra de Jean Paul Sartre “O Ser e o Nada”. Obra fundamental do filósofo francês, que estabelece os princípios do Existencialismo, filosofia que proclama o livre arbítrio do homem como única fórmula existente no mundo para criar a realidade existente.
[4] Escatologia (do grego εσχατος"último", mais o sufixo-logia) é uma parte da teologia e filosofia que trata da consumação da História ou do destino final do gênero humano.
[5] As “Cem Familias” é designativo de humanidade na filosofia taoísta.
[6] Um dos mais significativos versos do Tao Té Ching, diz: “O Céu e a Terra não são humanos; Não tem qualquer piedade; Para eles milhares de criaturas são como cães de palha que serão detruídos no sacrifício (...). Essa ideia pressupõe que a natureza, para realizar sua missão, não se importa com nossos desejos e esperanças. Nós somos parte de uma engrenagem que realiza um trabalho e nada mais.
[7] Bhagavad Guita- Tradução de Huberto Rohdein- 11º Ed. Martin Claret, São Paulo, 1990
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 01/10/2015
Alterado em 01/10/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras