João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


MAÇONARIA- SABEDORIA MESTRE DE OBRAS

                        
     
Sabemos que a criação do mundo, conforme aparece na Bíblia, não é uma matéria que possa ser interpretada literalmente. Se assim o fizermos acabaremos concluindo que ali está dissseminado um conjunto de mitos e crenças sem qualquer apoio na pesquisa histórica e científica. Todavia, por trás dos fatos ali narrados, muitas vezes de forma alegórica, encontra-se uma sabedoria muitas vezes milenária, que tem sido transmitida de forma oral aos sábios de Israel, sábios estes reunidos em uma mítica Assembléia de rabinos, a qual, através dos tempos e da História, a tem compilado e interpretado, reunindo-a em vários livros paralelos á Biblia, que somente são entendidos pelos estudiosos do Judaísmo.
    O termo Torah, (que quer dizer Ensinamento, Lei ) aplica-se aos cinco primeiros livros do Tanach, a Bíblia judaica. Ela é chamada de Pentateuco, ou Sefer Torah, o livro da Torah. Esses são os cinco livros atribuídos à Moisés, mas sabe-se hoje que eles não foram concluídos, em sua versão atual, pelo menos até o período do domínio persa, ou seja, antes de 332 antes da era cristã. Há historiadores que acreditam que tais livros começaram a ser escritos por volta do século VII a.C. no reinado do rei judeu Josias e foram concluídos na época de Esdras, logo após a volta dos judeus do Cativeiro. [1]
    Mas é nos textos posteriores, escritos pelos profetas e pelos intérpretes da Bíblia literal que se encontra aquilo que nós chamamos de sabedoria arcana, ou seja, a sabedoria que fundamenta a Cabala. Destes, interessam principalmente os textos constantes do Talmud e da Mishnah, onde encontramos a interessante estrutura da cosmogonia judaica, arquétipo inspirador da mística adotada pela Cabala, e por reflexo, pela Maçonaria.
     No livro da Criação, chamado Bereshit em língua hebraica, diz-se que “No princípio”Deus criou o céu e a terra. A terra estava vazia e vaga, e as trevas cobriam o abismo e um vento pairava sobre as águas. E Deus disse: ‘Haja luz’ e houve luz. Deus viu que a luz era boa e separou a luz e as trevas. Deus chamou à luz ‘dia’ e às trevas ‘noite’. Houve uma tarde e uma manhã, fazendo o primeiro dia” e assim por diante. (Genesis, 1:1-5).
     Poesia? Mito? Alegoria? Fato da história cosmológica que está sendo descrito de forma simbólica por falta de uma linguagem apropriada?
Em nossa opinião é tudo isso. A sabedoria cabalística diz que o mundo foi feito pelo Poder da Palavra de Deus. A Palavra do Verbo. EU SOU, EU SEREI, disse Deus a Moisés no Monte Horeb. E o gnóstico evangelista João também usa essa concepção no início do seu Evangelho: “No início era o Verbo, O Verbo era Deus e um Deus era o Verbo” escreveu ele no preambulo da sua cr\ônica para justificar a sua concepção de que Jesus Cristo era o filho de Deus encarnado. [2]
     Essa noção também é contemplada pelos escritos Vedas. Para os sábios hindús o poder criador e identificador da palavra de Deus também é visto como fundamental para o exercício da Criação. Em ambas tradições, encontramos a ideia de que é através da palavra denominadora que o universo e a Criação tornam-se manifestos. Corroborando esse fato vemos que depois de criar o homem, Deus o conduz pelo paraíso, onde ordena que ele nomeie todas as criaturas vivas. “Cada qual devia levar o nome que o homem lhe desse” (Genesis, 2:18). E pela palavra o homem reproduz o Ato Criador, dando identidade a todos os seres da Criação e á todas as coisas inanimadas do universo, proporcionando nascimento ao chamado principio da identidade, segundo qual o caos na terra foi organizado.[3]
     Na antropologia cabalística esse momento de Criação é definido pelo termo Chokmah, a Sabedoria, segunda Séfira da Árvore da Vida. Esse conceito aparece, pela primeira vez no Livro dos Provérbios: “Deus me criou, primícias de sua obra, de seus feitos mais antigos; desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes da origem da terra. Quando os abismos não existiam, eu fui gerada, quando ainda não existiam os mananciais de água” (Provérbios, 8: 22-23) .
     É aqui que entra o interesse maçônico nesse estranho conceito da antropologia cabalística. Pois no verso 30 desse livro encontramos um termo definido como “Agur”, que significa “aquele que congrega e espalha verdades”.  Esta palavra, que também se traduz por Amon tem sido traduzida como artífice, mestre-de-obras, construtor. Na Septuaginta ele é traduzido pelo termo harmozousa,   que significa a antítese dos anjos rebeldes. Por analogia eles são os Elhoins, os anjos construtores do universo cabalístico. [4]
A Vulgata o define como componens, os que compõem, os que edificam. Outras interpretações dão-nos Amon como amun, que significa nutrir, mas a tradução mais consensual parece ser a que consta de Provérbios 8:30-31): “Eu [a Sabedoria] estava junto com Ele [Deus] como mestre-de-obras, eu era o seu encanto todos os dias, todo o tempo brincava em sua presença: brincava na superfície da terra, e me alegrava com os homens."[5]
Eis aí a intuição cabalística como inspiração do arquétipo mais importante da Maçonaria, que é a alegoria da construção do edifício cósmico pelo Grande Arquiteto do Universo, através dos Anjos Construtores (Elohins), secundados pelos seus aprendizes (os homens). Essa visão cosmológica do universo maçônico é conhecida na tradição judaica como a “Sabedoria Mestre de Obras.”
(CONTINUA)

 
 
[1] Ver, a esse respeito,Israel Finkelsen e Neil Asher “A Bíblia não Tinha Razão”, publicada pela Ed. Girafa, São Paulo, 2003
[2]  João, 1: 2 a 5
[3] Dai um dos simbolismos maçônicos fazer referência á chamada “Ordo ab Chaos” (Ordem no Caos), como sendo uma das funções da Ordem Maçonica. Da mesma forma que o Principio Criador ordena o caos inicial do universo através das leis naturais, o homem(maçônico) deve fazer o mesmo com o caos social, colocando nele a harmonia do equilíbrio.
[4] Esse termo é encontrado na literatura rabínica como sendo a antítese dos anjos rebeldes, aqueles que foram responsáveis pela queda da raça humana. Ver, a esse respeito, o estudo publicado por George W. E. Nickelsburg- Philadelphia: Fortress Press, 1981
[5] Na Cabala, os anjos construtores são liderados por Jeová- Elhoin, o que fez o homem á sua imagem e semelhança. Na Árvore da Vida Jeová-Elhoein é a segunda manifestação do Princípio Criador, a séfira Chokmah, que significa Sabedoria.            

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 09/10/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras