João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


O ÚLTIMO DOS MARCIANOS
 
Por Renato Lopes Faury
 
 
Marc viu o seu mundo ruir por conta de muita conversa e pouca ação para salvá-lo. Ações simples que poderiam ser feitas para a preservação do ambiente local não foram incentivadas pelos “vendilhões” (nome dado aos representantes da oligarquia que governava Marte), não foram feitas. Companheirismo, amizade, amor; civismo, eram sentimentos desconhecidos naquele planeta. Seus técnicos preferiam lucrar em tudo, vendendo projetos, enterrando os resíduos em imensos “lixões”, cuja manutenção só justificava o lucro que davam. No entanto, pensava Marc,bastaria uma pequena mudança de comportamento da população, e um mínimo de responsabilidade das autoridades, no sentido de reduzir as emissões de gases poluentes e substâncias causadoras de mudanças climáticas, para salvar o planeta; mas essa oportunidade foi perdida. Agora, pensava Marc, era tarde demais.
Essa fora a sua grande luta. Passara toda a sua vida batalhando pela implantação de um processo de desenvolvimento sustentável, baseado no princípio da redução do desperdício de água, energia e alimentos. Ele, que era engenheiro ambiental, sabia que o planeta não sobreviveria sem isso. Desenvolvera dezenas de planos para gerenciar adequadamente os resíduos, reduzi-los, reutilizá-los, reciclá-los Se esforçara tanto para ensinar a população a não consumir produtos que gerassem impactos socioambientais irrecuperáveis...
No entanto, para sua tristeza e decepção, nem a administração pública quis dar ouvidos às suas propostas. Descuidou-se tanto da estrutura socioambiental, que até a ética nas contratações, nas compras e na prestação dos serviços foi esquecida. Não se deu prioridade aos critérios de preservação e sustentabilidade, mas somente se valorizaram os econômicos, preferindo os projetos de custo mais baixo, sem a preocupação com as agressões ao meio ambiente. Principalmente nos projetos de engenharia, o descaso das autoridades marcianas com o meio ambiente fora simplesmente criminoso.
E agora a natureza estava cobrando com fúria as agressões sofridas. Nos últimos anos, dezenas de catástrofes naturais ceifaram a vida de milhões de marcianos. Tsunamis, secas prolongadas, chuvas torrenciais, frio e calor desproporcionais,  transformaram  o ambiente do planeta em um verdadeiro inferno.  A poluição, as doenças consequentes do acúmulo de resíduos nas grandes cidades, a destruição da camada de ozônio, a diminuição das florestas, tudo isso fez com que a taxa de imunidade de todas as espécies vivas ─ e principalmente dos seres humanos ─, contra as pragas e as doenças, caísse a um nível insuportável. E assim, as epidemias começaram a dizimar a população marciana com um furia incontrolável.
A poluição provocada pelos veículos já havia causado milhões de mortes nas grandes cidades, superando até a mortalidade em decorrência de acidentes de trânsito. As pessoas mais vulneráveis a contrair doenças relacionadas com a alta concentração de poluição como crianças, gestantes, pessoas com dietas inadequadas e os portadores de doenças crônicas como diabetes, asma, pressão alta, começaram a morrer em grande escala.
Logo o custo com o tratamento de doenças provocadas pela poluição ambiental aumentou tanto que passou a consumir praticamente todas as rendas da economia marciana. Em decorrência disso, toda a sociedade do planeta entrou em colapso.
Marc sempre disse ás autoridades que a agricultura era extremamente vulnerável às mudanças climáticas. E que, ao mesmo tempo, contribuía para essas mudanças, pois na medida em que não eram adotadas práticas agrícolas sustentáveis nas atividades de produção, distribuição e comercialização, ela passava a ser um fator de mudança climática importante. Pois quando se destruíam florestas inteiras, que hospedavam ecossistemas necessários á manutenção da qualidade ambiental, para se plantarem monoculturas cujo único propósito era a obtenção do lucro, o planeta estava praticando o próprio suicídio. Marc cansou de avisar que as formas de produção, planejadas somente para atender demandas de consumo, incentivadas por uma publicidade desatenta às adaptações a um novo ambiente, estavam indicando que os limites de utilização dos recursos naturais estavam no fim.
Então vieram as crises: econômicas primeiro e depois, política e social. Mas mesmo essas catástrofes não foram suficientes para provocar a mudança de um sistema que não estava dando certo. Pois o consumo voraz, o desperdício e o egoísmo das pessoas não davam campo para novas atitudes. Na esteira desse desvario veio o aumento do estresse social, a violência, a corrupção, a fome, a sede, a miséria geral e todos os indicadores de qualidade da vida caíram a praticamente a zero. Foi o início do fim.
Mas mesmo ás portas da morte, os marcianos nunca estiveram dispostos a sacrificar o luxo, e substituir suas mercadorias por outras de menor agressividade ao ambiente. Não procuraram racionalizar o uso da água, pensando que ela jamais acabaria; não desenvolveram formas de produção de energia mais barata, a partir de recursos renováveis; consumiram suas florestas nativas sem renová-las; usaram produtos que continham matérias primas tóxicas e nocivas à saúde; jamais recolheram pilhas, baterias e lâmpadas para reciclagem, pois achavam que elas se diluiriam no ambiente naturalmente.
As matérias primas foram ficando cada vez mais escassas, e mesmo assim os marcianos não combateram o desperdício, nem desenvolveram um sistema de reciclagem eficiente.
Marc deu milhares de palestras, escreveu centenas de artigos e vários livros conclamendo as pessoas a apagarem as luzes quando trocassem de ambiente; que tirassem os aparelhos da tomada quando não estivessem sendo usados; que utilizassem papel reciclado; usassem pilhas recarregáveis, em vez de unidades descartáveis. Deu centenas de conselhos a esse respeito, mas tudo foi em vão.
A seca que transformou Marte em um deserto poderia ter sido evitada, pensava Marc, se os responsáveis pela administração pública tivessem seguido seus conselhos. Quantas vezes ele não advertiu que a água potável estava acabando, que os lençóis freáticos estavam sendo contaminados, que a poluição ambiental estava comprometendo os ecossistemas, que o regime de chuvas estava diminuindo e que era preciso poupar água e aprender a usá-la de forma responsável.
Ah! mas nada disso adiantou. Agora, Marc, lá da sua cabana na montanha, único lugar do planeta onde a natureza ainda resistia, em seus últimos suspiros de vida, olhava para o céu e via a última onda de calor se aproximando do planeta. Dentro de poucos dias Marte seria uma imensa bola alaranjada, deserta e sem vida, a girar no espaço.
Mas essa não era a principal preocupação de Marc. Ele sabia que alguns marcianos, dominadores de uma tecnologia espacial de ponta haviam desenvolvido meios para escapar deste planeta. E neste justo momento eles estavam voando em suas espaçonaves em direção ao terceiro planeta do sistema solar. Um lindo planeta azul, envolto por uma atmosfera agradável, feita de nitrogênio e oxigênio, cheio de rios e florestas. Um planeta limpo e bonito, habitado por formas de vida ainda tão primitivas, que mais ajudam a natureza do que a prejudicam. Os marcianos vão plantar nesse planeta azul as suas colônias. E fazer lá o mesmo que fizeram com Marte. E depois, quem sabe, com os demais planetas do sistema solar e quiçá, com outros que forem descobertos e puderem ser colonizados. O último pensamento de Marc foi um pedido a Deus para que, antes de eles poluirem e destruirem, com seu egoísmo o universo inteiro, Ele faça com que os homens aprendam um modo de viver mais saudável. E que deixem de ser os vermes do universo.
_______________
Renato Lopes Faury é engenheiro civil pela UMC. Trabalhou na SABESP. Fez pós  graduado em engenharia ecológica na FAAP e hoje faz palestras de dá cursos na área de preservação do meio ambiente. É autor do livro “ O Ambiente Humano”. E-mail: renatofaury@ig.com.br
 
RENATO LOPES FAURY
Enviado por João Anatalino em 26/10/2015
Alterado em 17/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras