João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


A Constituição atual, mantendo a tradição republicana, ao tratar da organização político-administrativa do Estado, vedou à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios “estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público” (art.19, inciso I)
Nesse artigo o Brasil consagra o princípio do Estado laico, reconhecendo a liberdade religiosa como direito fundamental. Desde 1946, nossas Cartas Magnas mantém a imunidade tributária para os templos.
A isonomia é reconhecida como um dos princípios fundamentais na democracia. Nessa concepção, a isonomia tributária é da essência da democracia, pois todos aqueles que tenham a mesma capacidade econômica devem contribuir igualmente para os cofres públicos.
Todavia, se a democracia reconhece como direito fundamental a liberdade religiosa, isso não quer dizer que ela se torne causa de privilégios tributários. Nem de enriquecimento ilícito por parte de seus dirigentes. A imunidade tributária do clero foi uma das causas da Revolução Francesa, por isso a restrição do § 4º  do art. 150 do texto constitucional visa a impedir que negócios lucrativos e não relacionados com as finalidades essenciais dos templos acabem se tornando verdadeiras minas de ouro para alguns aproveitadores.
É o que está acontecendo hoje. A proliferação de cultos, especialmente no chamado ramo evangélico, transformou a religião em verdadeiras indústrias da fé. Uma indústria tão forte que tem até bancada no Congresso. Bancada cuja boa parte, diga-se, está sendo investigada pela Lava a Jato. Especialmente um de seus principais líderes, o deputado Eduardo Cunha.
Essas igrejas são hoje os melhores negócios que há na praça. Proliferam como coelhos e dificilmente fecham as portas. A maioria prospera como se fossem negócios mantidos pelo PCC. Algumas funcionam como “lavanderias” de dinheiro sujo, como a igreja do ex-senador Gim Argello e do deputado Cunha, que foram usadas para esses fins.
Especialmente em épocas de crise essas igrejas vendem um produto que todo mundo quer e precisa: esperança de um futuro melhor. Não importa que tudo seja, na maior parte, ilusão.
Se temos que rever muitas coisas na legislação brasileira, a imunidade tributária dos templos de “qualquer culto” é uma delas. A fé a verdadeira religiosidade merecem respeito, mas os que fazem da Casa de Deus um covil de ladrões merecem é o relho. Foi o próprio Jesus quem disse e fez isso.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 31/05/2016
Alterado em 31/05/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras