João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


ESTUDOS MAÇÔNICOS- O TEMPLO E A ÁRVORE

 
 
Originariamente, nos templos maçônicos mais antigos, o altar do 2º Vigilante ficava no lado ocidental da Coluna do Sul, paralelo ao trono do 1º Vigilante, assim como ainda é encontrado em alguns graus superiores desse rito. Acredita-se que o deslocamento do altar do 2º Vigilante para a direita, na Coluna do Sul, como se observa na ritualística atual, tenha ocorrido para compatibilizar a planta do Templo onde se pratica o Rito Escocês com a dos templos ingleses, praticantes do Rito de York. Ocorreu, pois, como iniciativa destinada a unificar os dois principais ritos maçônicos, dando á Maçonaria uma característica de prática mundial.
Mas se tomarmos o formato original do Templo onde se pratica o REAA, formatos esses que foram conservados nas Lojas de Perfeição e Capitulares, é possível ver que a planta do Templo maçônico mantém uma formidável semelhança com a disposição das sefirot, como se vê na Árvore da Vida.
Nota-se, de início, que o Átrio, onde os neófitos aguardam para serem iniciados e onde os Irmãos são reunidos para a entrada no Templo é justamente a antecâmara onde se inicia a prática maçônica. Ali está o ponto intermediário, que separa o profano do sagrado, cuja porta é guardada pelo Irmão Cobridor. Ultrapassada aquela porta, o Irmão entra no território sagrado da manifestação divina, que na Cabala é simbolizada pela Árvore da Vida e na Maçonaria pelo recinto do Templo. Dali para frente toda uma ritualística terá que ser seguida para que o fluxo da energia que ali circula não seja obstruído. Por isso os detalhes de um ritual que muitas vezes escapa á compreensão dos Irmãos.
Essa é a razão de pensamos ser a planta do Templo maçônico uma inspiração da Árvore da Vida, embora nos Templos modernos uma boa parte dessa mística tenha sido obscurecida por força de adaptações e  mudanças feitas nos rituais.



Caixa de texto:                           Caixa de texto: ◌Pd           ☼Vm                 ◌ Or      □ Ll.  ◌ Sec     ◌ ◌              Pn  ◌ ◌  Ts  Hs                                  Mc  Ch                                                                  ◌                                                      Sv  ◌ Pv                              ◌ Mh                        ◌ Sd                            ◌ Ci                                                                      ◌ Pv                 ◌ Sv                                          .           ◌Pd                  ◌Ci                                                                    ◌Cb.                                        ◌                  ◌            ◌

   Átrio                                                       A Árvore da Vida
Disposição atual dos oficiais da Loja
 na planta do Tempo maçônico.                                    
 
VM- Venerável Mestre ( Kether)
Or. – Orador ( Hockmah)                                                              
Sec- Secretário ( Binah)                                                         
Ll- O livro da lei ) Daath)                                        
Tes- Tesoureiro (Gevurah)                                                            
MC-Mestre de Cerimônias (Thiphered)
Ch- Chanceler (Hesed)                                                  
PV- Primeiro Vigilante ( Hod)                                       
SV- Segundo Vigilante (Netzach)                                  
Mh- Mestre de Harmonia (Yesod)                                 
Ci -Cobridor Interno (Malkuth)                                      
Pn- Painel da Loja
Sd- Segundo Diácono
 
 As sefirot na Árvore da Vida                                                              

Kether-Coroa ou Princípio  
Hockmah- Sabedoria  
Binah-  Compreensão  
Daath- Conhecimento
Gevurah- Julgamento                                                                
HesedMisericórdia                                                                                 Thiphered-Beleza
Netzach- Eternidade
Hod- Esplendor
Yesod- Fundação
Malkuth-Reino
 

A Loja Maçônica
 
Sabemos que na tradição arcana, o termo Loja (em sânscrito Loka) designa as diferentes partes do universo onde a vida se manifesta. Essa é uma das informações que situa o conceito de Loja maçônica no mesmo sistema de referências que temos da Árvore da Vida na doutrina da Cabala. As duas estruturas referem-se ás diferentes emanações que a energia cósmica deve manifestar, em dez etapas de elaboração, para que o universo físico e a humanidade possam cumprir o seu destino cármico.[1]
Destarte, na terminologia maçônica, a terra seria uma Loka, assim como outras partes do Cosmo onde o Criador, supostamente, possa ter semeado alguma forma de vida. Nesse sentido, em termos puramente analógicos, o pensamento humano, reunido em Loja e dirigido para uma finalidade definida, poderia influenciar na conformação do universo como um todo. Num sentido místico, essa seria a função da Maçonaria enquanto obra de construção universal. 
 Nasce daí a ideia de que a reunião dos Irmãos em Loja tem o condão de formar uma egrégora, ou seja, uma central de energia, da qual se beneficiam os membros da Loja para a elevação dos seus espíritos, e para proporcionar o equilíbrio do universo, que dela extrai a harmonia necessária ao seu perfeito desenvolvimento. [2]
 Essa seria uma visão espiritualista dos propósitos da Maçonaria como estrutura arquetípica da arquitetura cósmica, onde os maçons são vistos como “pedreiros da construção universal” realizando a obra que o seu Grande Arquiteto planejou e executa. Por isso o Templo maçônico, onde se reúne a Loja dos maçons, é visto como sendo um microcosmo que reflete o macrocosmo, ou seja, uma representação simbólica do universo, onde a vida cumpre os seus ciclos energéticos, realizando sempre uma evolução no sentido da busca da perfeição suprema.[3]
 

Kav, o relâmpago brilhante
 

Quando comparamos a planta de um Templo maçônico e um diagrama da Árvore da Vida, não podemos nos furtar de fazer algumas analogias, tanto visuais como conceituais, pois, para o propósito para o qual as duas plantas foram desenhadas as relações são bastante visíveis.
De pronto se vê que ambas são construídas utilizando-se planos geométricos bem semelhantes. Os pontos de emanação da energia, nos dois conjuntos, formam triângulos que se opõem pelo vértice, permitindo que a corrente de energia percorra os pontos de convergência e distribuição que se situam nos locais onde se colocam as sefirot, na Árvore da Vida, ou pelos pontos onde se distribuem os altares dos oficiais, em uma Loja maçônica. A correspondência é notável, conquanto do ponto de vista geográfico, os altares de alguns oficiais da Loja tenham sido deslocados para outros locais dentro do Templo o que acreditamos tenha ocorrido pela necessidade de facilitar a locomoção interna, ou como já referido, para unificar conceitos entre os diversos ritos. Mas essa disposição, adotada apenas por questões pragmáticas e geográficas, não invalida a analogia aqui proposta, de que o desenho da Árvore da Vida e a planta do Templo maçônico são correspondências simbólicas da mesma ideia.
 Essa constatação pode ser feita através da análise dos significados de cada sefirá na Árvore da Vida e do simbolismo atribuído a cada cargo dentro da Loja e da própria mística que se atribui á um e outro desenho.
Na Cabala, a Árvore da Vida retrata a formação do universo físico e espiritual, através da emanação da Luz que vem dos  Véus da Existência Negativa[4]. Neles, Deus se manifesta como Luz Ilimitada e percorre as esferas da Árvore da Vida na forma de um Relâmpago Brilhante. É como um raio que esse relâmpago desce da primeira e primordial esfera (Kether), verticalmente, acendendo a segunda (Hokmah) e esta acendendo a terceira (Binah). E assim sucessivamente, até á ultima, de nome  Malkuth. É a superior transmitindo a luz para a inferior, sem que cada uma perca a própria luminosidade, que continua intacta. Na Loja maçônica esse simbolismo é representado pela Espada Flamígera, a qual, como pode ver no desenho abaixo, guarda uma estreita semelhança com o Relâmpago Brilhante da Árvore da Vida.[5] E dessa forma o universo cabalístico se compõe como uma emanação do Principio Criador que se derrama pelo nada cósmico, gerando a realidade universal. É nesse sentido que a chamada Espada Flamígera, instrumento com o qual o Venerável Mestre consagra todas as iniciações e investiduras em Loja, pode ser considerado um simbólico sucedâneo desse “relâmpago” vital.
                                                                

 
 Da mesma forma, o universo maçônico se realiza na Loja. Tanto em relação ao universo físico quanto ao espiritual. E o que é verdade para a totalidade cósmica também o é para o mundo individual do iniciado, que na interação com seus Irmãos e no influxo da energia gerada pela egrégora, lapida o seu próprio caráter. Do céu para a terra, da terra de volta para o céu. O macrocosmo refletindo no microcosmo e deste voltando, como reflexo trabalhado pela consciência modificada do Irmão, para a imensidade cósmica. É assim que se compõe o edifício universal, como tal visto pela mística que a atividade maçônica inspira ao espírito do iniciado maçom. Aqui está inserta a antiga tradição egípcia simbolizada pelo culto á deusa Maat, cuja prática visava o mesmo resultado, ou seja, levar para o céu o fluxo dos pensamentos humanos e projetar de volta o reflexo da resposta dos deuses no coração dos homens, como resultado dessa relação simbiótica entre o divino e o profano.
Destarte, essa é a ideia que fundamenta a teoria da egrégora, que por definição é uma congregação de mentes, reunidas com a finalidade de captar a energia necessária, capaz de influenciar a psique dos Irmãos e dirigi-los em seus trabalhos. Daí se dizer que a função da egrégora maçônica é colocar “ordem no caos” (ordo ab chaos), como tal entendida a realização da harmonia, a conquista da paz social e a promoção do progresso da civilização, como objetivo coletivo, e o equilíbrio psíquico e a própria felicidade pessoal do Irmão, como objetivo individual.
 
[1] Ver, a esse respeito a nossa obra"O Tesouro Arcano”, publicado pela Editora Madras, São Paulo, 2013.
[2] Idem. Ver a nossa introdução a esse tema, publicada na obra acima referida.
[3] Ver a esse respeito René Guénon- Discursos Sobre a Iniciação- Ed. Pensamento, São Paulo, 1968.
[4] Os Véus da Existência Negativa são Ayn, Ayn Soph e Ayn Soph Aur. Ver a esse respeito, o capítulo VII desta obra.
[5] Note-se que a Espada Flamígera também apresenta onze meias esferas, numa estreita semelhança com a disposição das esferas da Árvore da Vida.
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 16/08/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras