João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


Pouco importa venha a velhice.
O que é a velhice?
Seus ombros suportam o mundo
E ele não pesa mais do que a mão de uma criança.”

                                                        Carlos Drummond de Andrade



Sei que vou morrer um dia, e esta sabedoria
É uma verdade que eu nem penso contestar.
Entretanto, saber disso não ajuda nem alivia,
Aliás, isso é coisa que eu gostaria de ignorar.

Se eu pudesse viver sem pensar nas estações
Não guardaria nos arquivos da minha mente,
Esta lembrança de aniversários e de gerações
Que se sucedem como elos de uma corrente.

Pois esse é o mal que a idade nos apresenta:
Cada dia que na folhinha tem que ser riscado
É como a renda que o tempo nos acrescenta,
E sobre a qual incide esse tributo tão pesado.

Que bom seria poder pensar como o meu cão;
E não ficar olhando escoar as areias do tempo,
Nem sentir que a vida se parece com o balão,
Cujo destino é guiado eternamente pelo vento.

Mas quem sabe o que nos leva as esperanças,
Seja apenas a soma dessas memórias fugidias;
Um fardo inútil de experiências e lembranças,
Que não se aprende a descartar no fim do dia.

E assim levamos para cada dia que amanhece,
A memória do ontem, tal como uma carapaça,
Que se nos adere na medida em que se cresce,
E mais dura fica quanto mais o tempo passa.

Mas se o pensamento não pudesse ir adiante,
Quem sabe a vida jamais tivesse esse declive,
E viveríamos sorvendo o mel de cada instante,
Eternizando-se nos momentos em que se vive.

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 30/10/2016
Alterado em 06/11/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras