João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


 
Eu a amo, você me ama, sem máguas
e esta é a minha primeira memória.
Eu era uma lagoa na serra, apenas
você uma andorinha ligeira,
que vinha brincar nas minhas águas,
mas só molhava as penas.

Essa foi nossa relação primeira,
o princípio da nossa história.
 
Depois, fomos dois rudes neanderthais.
de testas curtas e faces alongadas.
Falávamos pouco, quase grunhíamos,
mas logo sentimos que havia muito mais
que curiosidade naquelas olhadas
que nós nos demos naquele instante.
E no primeiro dia em que nos vimos
confundimos logo as nossas pernas,
Num rola-rola mais que alucinante.
 
Vem-me á memória daqueles dias
em que vivíamos no antigo Egito.
Eu era um mero escriba da corte
E você, filha única de um governador.
Desafiamos todas as hierarquias
O que era dito e o que foi escrito,
Só para viver um grande amor.
Mas a intolerância foi mais forte
E por isso pagamos com a vida,
O preço daquele amor proscrito.

Foi em Tróia que renascemos,
Nos áureos tempos de Príamo e Heitor.
Você era uma bela troiana, acredite.
Talvez não tanto como Helena,
mas com certeza não era menos

do que Priscês ou Afrodite.
Eu era um soldado grego rude,

Que lutava com muito fervor,
um valente entre os helenos,
morrer com honra era o meu lema.
Sai do cavalo de pau na madrugada
E queimei toda a sua cidade.
Quis salvar você, mas não pude.
Tróia foi completamente arrasada.

Foi na Roma das águias imperiais
que eu reencarnei como um cristão.

No templo da deusa Diana caçadora
você era a primeira das vestais.
Porém, uma paixão avassaladora
fez você abraçar a minha cruz.
(Um crime pelo qual pagamos pena.)
Nero, o louco, botou fogo na cidade,
só para compor uma canção.
Pôs a culpa nos seguidores de Jesus
e nós sofremos uma feroz perseguição.
Tudo virou uma grande calamidade.
Nós dois fomos jogados numa arena
E acabamos virando comida de leão
 
Voltamos nos tempos de Gengis Kan.
Eu era um rústico guerreiro tártaro,
você uma linda princesa sarracena.
Pelo meu grande exército bárbaro

O seu país foi devastado por completo.
Seu pai, para salvar seu próprio clã
me prometeu você em casamento.
Pensou que tinha resolvido o problema.
Mas você tinha um amor secreto
e se matou naquele justo momento

em que o amor ia ser consumado.
Eu me senti tão envergonhado
que não pude suportar aquela cena.
Me suicidei de raiva e de despeito.

Tempos que nem quero lembrar,
Aqueles da Revolução Francesa.
Eu era membro da família real
você, robusta e bela camponesa.
Veio então aquele levante popular,
Que acabou com a festa da nobreza.
Seu pai foi eleito deputado distrital
depois tornou-se um ministro de Estado.

Robespierre, era como ele se chamava,
E foi exatamente ele que me condenou.
Por razões políticas fui decapitado
mas você, filha dele, me amava,
e desta vez foi você que se matou.

Veio então a Segunda Guerra mundial.
Eu fui um soldado da tropa americana
e você, cem por cento uma nazista,

enfermeira voluntária em um hospital.
Numa batalha fui ferido e prisioneiro,
e levado para um campo de concentração.
Aquele foi amor á primeira vista,
Que tomou nossos corações por inteiro,
e nos fez incendiar de paixão.
Você tentou me esconder numa cabana,

Mas então aconteceu aquela blitz,
pois a Gestapo havia seguido a sua pista
E nós dois fomos parar em Auschwitz.

Agora sou um mano bem bacana
você está entre as minas gatas e preparadas.
Não nos separam guerras e nem nomes,

E as coisas já não são tão complicadas.
Nosso problema é hoje esse smart fone,
Que você não larga nem na cama.
Será que depois de dez mil anos,
Atrás de um final que poderia ser tão bom,
Nossa história de enganos e desenganos,
Vai acabar por causa de um pokemom?


 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 13/04/2017
Alterado em 16/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras