João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


     NEM MORTOS!
      
                                                                                                    Certa vez, um grupo de quatro turistas americanos, juntamente com seu guia, foi escalar um pico nas Montanhas Rochosas. Estavam em meio á escalada quando sobreveio uma terrível nevasca. Eles procuraram abrigo dentro de uma caverna, para esperar a tempestade passar. Estava anoitecendo e nada de a tempestade amainar. E eles viram que teriam de passar a noite naquela caverna.
O termômetro já marcava abaixo de 20º C negativos. E cada vez ia ficando mais frio. A noite estava chegando e eles sabiam que a temperatura iria cair para abaixo de - 30 º C. Seria difícil resistir á um frio daquele só com o equipamento que haviam trazido.
Então o guia falou. “Não temos nada para queimar. Assim, não podemos fazer uma fogueira. Até porque a caverna ficaria cheia de fumaça e nós morreríamos asfixiados. A solução, minha gente, é nós tiramos os nossos agasalhos e fazermos um cobertor coletivo. Depois nos abraçarmos todos, num bloco só, para que possamos passar nosso calor uns para os outros.Só assim seremos capazes de resistir até amanhã, quando certamente uma esquipe de socorro virá resgatar-nos.”
Então, os quatro turistas se olharam, de alto a baixo, entre si, coisa que eles não tinham feito até então. Um deles era um negro que tinha vindo do sul do Mississipi. Ele odiava os brancos, porque durante séculos eles haviam oprimido os negros no seu estado. Os conflitos raciais entre brancos e negros ali eram frequentes. Ele mesmo já havia se envolvido em alguns desses conflitos e até já perdera amigos e parentes neles. Outro dos turistas era um branco vindo do Alabama. Pertencia á Klu-Klux-Klan no seu estado e seu rancor pelos negros era uma coisa entranhada. "Se pudesse," costumava dizer a quem quisesse ouvir, "enforcaria todos os malditos negros do país." 
O terceiro indivíduo era um judeu do Bronx. Além de também não gostar de negros, não abria a mão nem para dizer bom dia. Dividir era o tipo de operação aritmética que ele não sabia fazer. Com ele a matemática era feita só de somar e multiplicar.
O quarto era um cowboy do Texas, metido a macho. Era daqueles que costumava dizer que a sua parte feminina era lésbica.  
O quinto era o guia, um sujeito de bom coração, mas sem nenhuma iniciativa.
Bom, com sujeitos com esses caracteres, nem precisamos imaginar o que aconteceu. O negro olhou para o branco racista e disse para si mesmo: “mas nem Deus me fará abraçar esse maldito lixo branco.” O branco também olhou para o negro e pensou a mesma coisa.” Abraçar um negro? Só se for para quebrar o pescoço dele!” O judeu,por sua vez, pensou que dividir o seu agasalho com os outros o tornaria mais pobre. O cowboy disse para si mesmo: “eu, me agarrar com esses quatro marmanjos? Mas nem morto!”

O guia, por sua vez, ficou olhando para os outros quatro, esperando que algum deles tomasse a iniciativa de por em prática a sua idéia. Como ninguém se habilitou, ele ficou na dele. Enrolou-se no seu cobertor e sentou-se no fundo da caverna. Silenciosamente, cada um agasalhou-se como pode e procurou um cantinho da caverna para passar a noite. Quando, no dia seguinte, uma equipe de resgate chegou, ela encontrou na caverna cinco homens mortos, rígidos como blocos de gelo. Todos com os braços cruzados sobre o peito, como se tivessem protegendo algo muito valioso. E lá nas profundezas do inferno a Morte mais uma vez soltou uma sonora gargalhada e agradeceu ao seu pai, o Diabo, por ter inventado raças, línguas e religiões para dividir os homens. Para que só a ela pudesse juntá-los. 
 

 
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 20/07/2017
Alterado em 22/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras