João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos




 
 
O advogado de Temer, na defesa do presidente, atacou todas as instâncias do Judiciário, dando a entender que esse Poder está dando uma espécie de golpe de Estado, assumindo poderes que o coloca acima de todos os demais.  Pode ser. A acusação tem lá as suas razões. Há quem diga que metade dos procuradores e juízes brasileiros acha que são deuses e a outra metade tem certeza. Que uma boa parte desses zelosos funcionários públicos adora um holofote, isso nem se discute. É fato que a Constituição de 1988 ampliou sobremaneira as atribuições da Polícia Federal e deu ao Ministério Público poderes que as Constituições anteriores não haviam outorgado. No regime das cartas anteriores jamais um Procurador Geral da República faria o que o Dr. Janot fez. E durante o regime militar, isso seria impensável. Aliás, a pouco tempo atrás, no governo de Fernando Henrique, procuradores gerais eram funcionários cooptados para defender o governo e não para acusá-lo. Todos se lembram do Dr. Geraldo Brindeiro, chamado de engavetador-geral
A acusação feita pelos advogados de Temer e seus ministros, todos denunciados por participar de uma quadrilha que vem assaltando sistematicamente os cofres públicos, não é sem razão. O que a macula é a motivação. Pois ela se destina, não só a esvaziar a denúncia feita pelo Procurador Geral, mas principalmente a torpedear uma cruzada que se levantou contra a endêmica corrupção que tomou conta do país. E que tem, no comando dessas operações de rapinagem, justamente a classe política. Essa cruzada, que os ilustres defensores do presidente e seus ministros atacam, já não é mais somente do Ministério Público, da Polícia Federal e dos Magistrados, mas de todos os brasileiros, que querem ver o fim da gloriosa impunidade que os senhores políticos se deram ao votar leis que os colocam fora do alcance da Justiça. E por conta disso pensam que podem violar todos os limites da moralidade e da decência. O mandato parlamentar é sagrado sim. Mas o caráter sacro dessa investidura tem fronteiras e esta não pode ser tão ampla que só admita o crime inafiançável e a prisão em flagrante como marco regulatório. Isso é dar corda demais para uma classe de cidadãos que já mora dentro do poço e pode retirar de lá, a qualquer hora, a quantidade de água que quiser.
Juridicamente, os críticos da Operação Lava a Jato e todos aqueles que vociferam contra os poderes que o Ministério Público vêm se investindo, de forma sub-reptícia, dizem, podem ter razão. Um Poder não deve sobrepor-se a outro. Mas também, nenhum Poder pode se conceder privilégios como os que os membros do Legislativo outorgaram a si mesmos. Se o que se quer é um país justo, então está mais do que na hora de acabarmos com essa odiosa blindagem. Acima de tudo, todos são funcionários públicos. Que sejam tratados como tais. E que nessa briga de cachorros grandes, a mordida não sobre, como sempre, para o povo.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 11/10/2017
Alterado em 14/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras