João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


                                         OS INTOCÁVEIS DO BRASIL
 
Nos "Intocáveis", filme de Brian de Palma, o agente da Receita Federal americana, Eliott  Ness, arma um plano para pegar o mafioso Al Capone .
Capone era um criminoso da pior espécie. Matava, roubava, contrabandeava, corrompia políticos, juízes e policiais. Vivia como um rei na cidade de Chicago no tempo da Lei Seca e da Grande Depressão. Com o dinheiro arrecadado comprava todo mundo: policiais, juízes, políticos, jornalistas e outras autoridades.
Eliott Ness só conseguiu pegá-lo porque ele sonegou imposto de renda. Os Estados Unidos têm isso de bom. O sistema judiciário americano não é o mais justo do mundo. Semelhante ao brasileiro, contempla quem tem mais dinheiro ou poder. Engana-se quem pensa que rico, na América, não tem privilégios. As coisas lá não são muito diferentes do Brasil. Só pobre e negro é que pegam cana brava por qualquer delito. Rico não.
A diferença é que lá, sonegar impostos e saquear os cofres públicos são crimes que poucos juízes se propõem a relaxar. Passar a perna no fisco, então, é mais grave do que matar ou roubar. Quem é pego nessa fraude vai mesmo para a cadeia sem choro nem vela, além de pagar o que deve com multas altíssimas
Capone só foi pego porque seu contador foi preso e fez um acordo de delação premiada. As autoridades americanas são muito judiciosas a esse respeito. Só fazem acordos que resultem em provas incontestáveis e que sirvam para mandar os chefões para a cadeia. Aqui todo mundo que é pego com a boca na botija faz delação premiada. Bagunçaram tanto a aplicação desse instituto que ele acabou servindo mais de prova a favor do acusado do que contra. O novo diretor da Polícia Federal que o diga.
Capone tentou comprar os membros do júri que ia julgá-lo. Para azar dele Ness descobriu a manobra e conseguiu fazer com que o juiz convocasse um novo corpo de jurados. Mas ele só conseguiu isso porque incluiu (indevidamente, diga-se de passagem), o nome do juiz na lista dos subornados. O juiz, mesmo inocente, por via das dúvidas, promoveu uma troca dos jurados.
Capone foi condenado e pegou onze anos de cadeia. Aqui nem precisaria comprar o júri. Ele já teria, de saída, o Gilmar Mendes do seu lado.  Um magistrado que vota pela concessão de habeas corpus para o Eduardo Cunha e pela manutenção de foro privilegiado para corruptos, nem precisa ser subornado. Para ele, usar colarinho branco já é, em princípio, prova de inocência. O Brasil de hoje não é a Chicago dos anos vinte, mas com magistrados como Gilmar Mendes e outros que tem a cabeça igual à dele, esta é a verdadeira terra dos Intocáveis. E o Sérgio Moro e os procuradores do MPF, que pensam estar fazendo o papel do Eliott Ness vão acabar mesmo é com um belo chapeuzinho de palhaço. E quem sabe, chupando um pirulito como o Kojac.
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 30/11/2017
Alterado em 30/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras