João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


A Dra. Vanilde, médica intensivista, andava muito preocupada. Ultimamente estava tendo alguns sonhos estranhos, nos quais se via voando, solta, leve no ar, como se fosse um balão de gás. Subia, livre, até uma certa altura e lá em baixo, no chão, se concentrava uma multidão que a seguia, como se fosse um bando de crianças atrás de um balão de São João. Mas era uma turba nervosa, rancorosa, maligna, como uma matilha de lobos atrás de uma presa.  E ela sabia que se eles a pegassem, seria trucidada como se fosse, efetivamente, um balão de festa junina, cuja posse é disputada por dois grupos rivais. No começo do sonho tudo parecia ir bem. Ela voava como um pássaro, e ia cada vez subindo mais, se distanciando da malta assassina que rugia lá embaixo. Mas, a partir de certa altura, ela começava a cair. Parecia que o gás acabava e ela começava a ficar pesada e perder altura, a descer, descer, até que a multidão furiosa estava, novamente, arranhando seus calcanhares. E então ela acordava. 

Já fazia alguns meses que aquele sonho se repetia continuamente. Ela nunca fora alcançada pelos seus perseguidores, pois sempre acordava quando eles estavam a pique de pegá-la. Mas a cada sonho parecia que eles estavam mais perto. Sentia o respirar deles. Era como se eles já tivessem entrado no espaço do seu periespírito, também conhecido como aura, ou seja, aquele contorno vital que a energia da vida irradia em torno do nosso corpo e que serve, muitas vezes, de proteção contra invasões da nossa intimidade biológica, campo energético que constitui o espaço vital que todos nós procuramos preservar. 
Acordava desses sonhos mais cansada do que quando voltava do seu plantão no hospital. E ele era estafante, como são todos os plantões de médico intensivista, que cuida de doentes, em sua maioria em estado terminal, ou com quadros clínicos tão comprometidos que necessitam de cuidados de uma UTI. Aliás, ser médica intensivista não era uma tarefa fácil. Era uma convivência diária com a morte. Em todo o seu curso de graduação em medicina, e depois na prática residencial, e mais tarde na pós-graduação feita para especialização em Unidade de Tratamento Intensivo, ela havia sido constantemente advertida de que a sua luta com a morte seria muito mais intensa do que em qualquer especialidade. Ela teria que estar preparada para enfrentá-la todo dia, e suas perdas seriam muito mais freqüentes do que em qualquer clínica.
Mas ela sempre estevera disposta a enfrentar o desafio e durante mais de cinco anos naquela especialidade nunca se arrependeu do ramo escolhido. Enfrentava galhardamente doze horas de plantão, disputando com a morte cada minuto, cada centelha de vida de seus pacientes. E todo paciente que recebia alta na UTI era como se uma grande vitória tivesse sido obtida. Eram comemoradas com os colegas, com pizza e ás vezes, quando se tratava de um caso considerado perdido, até com champagne. 
 
A Dra. Vanilde não sabia precisar quando é que começara a ter aqueles sonhos e os sentimentos que agora a assustavam. Uma estranha crença, de repente se instalara em sua cabeça. Essa crença lhe dizia que morreria logo. E ela, que convivia diariamente com a morte, passou a temê-la de tal forma, que a perda de um paciente na UTI a transtornava de tal maneira, que ela perdia o controle. Nessas ocasiões, havia sempre uma voz, na sua cabeça, dizendo que ela seria a próxima. As coisas evoluíram de tal modo que a direção do hospital resolveu afastá-la dos plantões e ela foi aconselhada a procurar um psiquiatra. Ficou agressiva, tensa, nervosa, com ódio das pessoas e do próprio trabalho.
 
O Dr. Ângelo Moret, o profissional com que ela foi se tratar, logo diagnosticou que ela estava sofrendo do chamado complexo da morte. Era, segundo ele explicou, um problema que afeta muitos médicos, especialmente aqueles que lidam diretamente com a morte, como são os intensivistas e legistas.      
 “ O primeiro estudioso a diagnosticar isso foi o Dr. Freud”, disse ele. “ Ele descobriu que o nosso inconsciente costuma agasalhar vários instintos naturais, que são originários da nossa própria natureza e são sublimados ou desenvolvidos conforme a nossa história de vida. O instinto da vida é um claro exemplo disso. Através desse instinto a nossa libido se torna um importante motor do nosso comportamento. Ele nos faz buscar a atividade sexual para sentir o prazer e para a preservação da espécie. Assim, valoramos o sexo conforme esse instinto é mais ou menos forte em nós, na medida que a nossa história de vida o sublima ou o reprime. "
“Do outro lado está o instinto da morte”, continuou ele.  Quando sublimado, esse instinto elicia uma força negativa que pode se manifestar em comportamentos destrutivos como o masoquismo ou até o suicídio. Quando reprimido ele se manifesta através de agressividade, ódio, medo mórbido de morrer, ou mesmo vontade de matar.”“O seu inconsciente deve estar entendendo que você o está reprimindo através dessa sua ansiedade de curar os pacientes, livrando-os das garras da morte. E ele se representa através dessa turba agressiva que quer agarrá-la."
" Tome cuidado", disse ele, com um sorriso ambíguo, "pois no dia em que essa turba raivosa agarrar você no sonho é por que  você efetivamente estará morrendo.”
 
A Dra. Vanilde ficou assustada mas gostou do diagnóstico. Tinha sentido. Afinal, esse era um dos sintomas que ela tinha. Um medo mórbido da morte.
“ A cada vida que você salva” disse o Dr. Moret, “ o instinto da morte lhe diz que você está lutando contra ele. E ele está reagindo, cobrando isso de você. É como se ele estivesse querendo cobrar da sua própria vida o saldo de vidas que você tira dele quando consegue salvar um paciente. Algo assim como se a própria Morte lhe dissesse: Vou cobrar de você o que você está roubando de mim.”
 
Algum tempo depois do tratamento a Dra. Vanilde estava de volta ao hospital dando o seu plantão como intensivista. Estava completamente curada. Voltara a ser a profissional competente que sempre fora. Logo assumiu a chefia da Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital. Durante cinco anos exerceu esse cargo e tornou-se uma das mais respeitadas profissionais da especialidade.
Ninguém entendeu porque um dia a polícia estava esperando a Dra. Vanilde na porta do hospital com uma ordem de prisão. Ela foi presa e indiciada como praticante de eutanásia. Acusada de vários assassinatos premeditados, a polícia apurou que ela usava a UTI do hospital onde ela era a chefe, para abreviar a vida de muitos pacientes que apresentavam quadro clínico tendente a óbito. Já há vários meses ela estava sendo investigada pelas autoridades policiais, que inclusive haviam feito várias gravações de suas conversas com enfermeiras e médicos da unidade, doutrinando-os e aconselhando-os a desligar aparelhos, diminuir medicamentos, praticar procedimentos e protocolos médicos estranhos, com a clara intenção de abreviar a vida dos pacientes terminais.
No inquérito policial e depois, quando o Ministério Público quis ouvi-la para obter mais informações para instrumentar a denúncia, ela não respondeu uma palavra. No seu ouvido havia uma única voz que dizia: “ Não se preocupe, parceira, você agora tem crédito suficiente para viver mais que todos eles. Você agora é imortal”. 
 
A defesa da Dra. Vanilde alegou insanidade e ela foi submetida aos exames regulamentares. O diagnóstico revelou que ela realmente sofria de distúrbios psíquicos relacionados com o chamado “instinto da morte”. Apurou-se que alguns anos antes de os óbitos provocados começarem a acontecer na UTI daquele hospital, ela havia se tratado com um psiquiatra chamado Dr. Moret. Ela havia falado desse tratamento a vários colegas, e seu entusiasmo com respeito aos métodos e aos conhecimentos daquele médico eram contagiantes. Devia a ele a sua cura. Várias diligências foram feitas pela polícia para encontrá-lo para que ele pudesse informar sobre o histórico da doutora. Mas tudo foi em vão. Era como se nunca ele tivesse existido. Ninguém o conhecia e nem no CRM havia qualquer registro de um psiquiatra com as características daquele Dr. Ângelo Moret, médico que tratou da Dra. Vanilde. Com o tempo todo mundo chegou á conclusão de que o tal médico não existia mesmo. Era uma coisa da cabeça maluca da doutora. Quando lhe disseram isso a Dra. Vanilde não retrucou. Apenas um quase imperceptível sorriso pode ser visto, aflorando nos lábios dela. Ela sabia que aquelas coisas que eles estavam falando a respeito do Dr. Moret não era verdade, pois ele costumava visitá-la toda semana, desde que ela fora presa.
Se os guardas da prisão fossem consultados sobre essas visitas eles jurariam nunca ter visto o tal médico. Mas a Dra. Vanilde sabia porque. Aliás, só ela sabia. E ele sempre lhe dizia que não se preocupasse com nada do que estava acontecendo, pois ela ia viver muito, muito tempo, e logo iria recuperar tudo que estavam tirando dela. Com muitos juros.
“ Afinal” disse ele, “ você comprou esse direito e pagou um bom preço por ele. Com todas as almas que você me deu, o seu crédito comigo é inesgotável.”  
   


 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 10/12/2017
Alterado em 12/12/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras