João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


LULA NÃO É HITLER
 
No dia 24 deste mês o Brasil assistirá ao inusitado julgamento de um ex-presidente, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. Isso nunca aconteceu antes e o fato merece reflexão: será que agora as instituições estão de fato funcionando neste país, ou é a bandalheira que foi institucionalizada e a máquina pública, dos pés até a cabeça, apodreceu tanto que não dá para salvar ninguém?
De todo modo, o julgamento de um personagem tão importante e popular como Lula iria levantar ondas de amores e ódios em todos os segmentos da vida nacional. Afinal, o ex-presidente tem sido forte protagonista na vida política do país nos últimos trinta anos. É um papel que só podemos comparar ao que Getúlio Vargas exerceu na primeira metade do século passado e Juscelino Kubitschek nas primeiras décadas da segunda.
Um grande circo está sendo armado em torno desse julgamento. Mais ou menos como o que ocorreu no julgamento de Adolf Hitler, em 1924, quando o futuro ditador alemão foi julgado pela sua tentativa de golpe armado.  A diferença é que lá o julgamento era realmente político. Já o de Lula, ainda que seus correligionários queiram lhe dar esse conteúdo, na verdade, é por crimes comuns, supostamente cometidos por um funcionário público no exercício de suas funções, ainda que essas funções se refiram à maior investidura que o Estado pode oferecer a um servidor público.
O MBL (Movimento Brasil Livre), o MST e outras siglas que congregam os chamados movimentos sociais estão falando em armar telões nas principais cidades brasileiras para seus membros e simpatizantes acompanharem o julgamento. E responder ativamente à uma possível condenação.
Esse espetáculo midiático tem um alvo direto e muito importante para as aspirações desses movimentos: as eleições de outubro. Na verdade, o que os simpatizantes do Lula querem é subverter o fato de que o seu líder não está sendo julgado por questões políticas, mas sim por crimes comuns. Trata-se de um julgamento jurídico, onde um cidadão que já foi condenado em primeira instância, terá sua condenação confirmada ou reformada por um tribunal de desembargadores.
Entende-se perfeitamente que os partidários de Lula apregoem que seu líder é vitima do lawfare (perseguição política por meios judiciais), desprezando todas as provas e evidências apresentadas pelo MPF de que o ex-presidente usou o cargo para obter vantagens pessoais. Faz parte do jogo político. O que não se pode é admitir que o Poder Judiciário seja pressionado por manifestações e ameaças de violência, como as que os chamados movimentos sociais agregados do PT estão prometendo, caso a condenação de Lula seja confirmada. O Brasil tem instituições, e ao que parece, pela primeira vez em sua longa e conturbada história política, elas parecem funcionar. Não podemos deixar que o messianismo irresponsável e a falsidade ideológica de lideranças comprometidas com o caos contaminem essa esperança. Lula não é Hitler, mas os exemplos da História não podem ser desprezados.
 
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 09/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras