João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


O TRABALHO E O LAZER
 
Minha formiga estava achando ruim
A forma como vivia dentro de mim,
Por isso resolveu procurar trabalho;
Estava louca para deixar o borralho
Pôs uma gravata e vestiu um terno,
Foi procurar comida para o inverno.
 
Porém a cigarra que vivia em mim,
Gostava muito de ser e viver assim,
E sem desejo de mudar ou crescer,
Em meu coração ela foi se esconder.
Ali passou todo o inverno á espera,
De que viesse de novo a primavera.
 
Ela esperava que a formiga voltasse
Trazendo a comida que encontrasse    
Para cumprir uma promessa que fiz,
Que um dia seríamos um casal feliz;
A cigarra, cantando as suas canções,
E a formiga cuidando das provisões.
 
Pois a felicidade então me parecia,
Uma vida com segurança e alegria,
Em que se pudesse comer e cantar.

E se ambos eu conseguisse ganhar 
Poderíamos gozar a nossa felicidade
Vivendo entre o sonho e a realidade.
 
Mas o mundo sempre nos modifica
E quem vai se esquece de quem fica.
Se para a cigarra, a formiga era fútil,
Para 
a formiga, a cigarra era a inútil,
Já que a primeira só vivia cantando,
 Mas a segunda somente trabalhando. 
 
Assim fiquei em meio á uma guerra:
O feroz conflito entre o céu e a terra;
Pois se a cigarra alegra meu coração
É a formiga quem me fornece o pão.
Elas vivem em minha mente a brigar
E não sei a qual delas razão devo dar.
 
É a formiga que me comanda de dia,
E não me permite nenhuma fantasia;
Porém à noite, a cigarra toma conta,
E toda a minha seriedade desmonta;
E se de dia eu só ando em linha reta,
Viro a noite como um bêbado poeta.
 
Estava difícil sobreviver dessa forma
Fatiado entre a liberdade e a norma,
O sonho de ser e a ansiedade de ter,
A necessidade rude e o doce prazer,
Dividindo a vida numa eterna briga, 
De alma cigarra num corpo formiga.
 
 E foi em face deste conflito imenso
 Que acabei encontrando o consenso
   Entre o meu adulto e minha criança;
   A nenhuma delas eu dei  a liderança
   Porque que de ambas muito preciso
     Pois uma é o prazer e a outra o juízo.
 
  Cheguei assim à inaudita conclusão,
 Que alma é lazer, corpo é profissão;
 Deus os fez mutuamente inclusivos
  Para que possamos continuar vivos.
   De dia é pegar no batente com garra
   Para, à noite, poder sair para a farra.
 
   E é assim que aprendi a levar a vida,
   Dividindo-me entre o prazer e a lida.
   Nenhum deles reclama mais de mim
    Se de dia sou yang, de noite sou yyn.
   Porque, para que tudo possa vir a ser,
   Só equilíbrando o trabalho com lazer.


 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 19/01/2018
Alterado em 19/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras