João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


MENSAGEM PARA UM DOMINGO FELIZ

 
Um búfalo foi atacado por um leão, mas conseguiu escapar do predador graças à força dos seus chifres. Depois de levar algumas estocadas doloridas, o rei das selvas reconheceu a força do búfalo e se afastou do seu caminho. O búfalo, orgulhoso dos seus cornos e estafado com a luta, foi descansar em um espesso bosque de árvores baixas e emaranhados galhos. De repente seus compridos e pontudos chifres ficaram presos em uma delas.  O leão, ao perceber que ele ficara indefeso, não perdeu a oportunidade. Naquele dia, ele e seus filhotes tiveram um belo banquete.

     Uma boa sabedoria é aquela que nos ensina a lutar com todas as nossas forças pelos resultados desejados, mas jamais nos deixar ficar presos a eles. Isso significa que não devemos nos apegar a nenhum bem que conquistamos nem ficar chorando a perda do que quer que seja. Essa é a boa sabedoria que Jesus ensinou no Sermão da Montanha. “ Não andeis preocupados pelo que haveis de comer ou vestir” disse ele. “Considerai como vivem os pássaros do céu; eles não plantam nem guardam em celeiros. Todavia o Pai do céu os alimenta.” “Olhai os lírios do campo; eles não fiam nem tecem; porém nem Salomão, em toda sua glória, jamais se vestiu como um deles”. Isso é desapego. É mais do que isso. É confiança. É acreditar que Deus deu a todos nós os recursos que precisamos para ganhar a vida com sobra e qualidade. Só precisamos aprender a acessar essa fonte perene de recursos, que é a nossa mente e dela tirar o que precisamos.
      Nada do que nos acontece na vida é bom ou ruim em si mesmo. Bem e mal não são conceitos que podem ser enquadrados no princípio da identidade. Isso quer dizer que não podemos dizer taxativamente, como verdade absoluta: isso é bom, isso é ruim. Na vida tudo é um eterno talvez. Richard Bandler, o criador da técnica chamada neurolinguística, em um dos seus livros, conta a seguinte estória. Havia um fazendeiro cuja riqueza era um único cavalo. Um dia o animal fugiu e seus vizinhos vieram consolá-lo: “pobre de ti” disseram eles. “Perdestes a tua única riqueza.” “Talvez”, foi a resposta do fazendeiro. Dias depois o cavalo voltou acompanhado de uma manada de cem cavalos selvagens. O fazendeiro os colocou em um curral, começou a domá-los e se tornou um homem rico. “Ah, que sorte a tua”, disseram os vizinhos.” Não tinhas nada e agora estás rico”. “Talvez”, respondeu o fazendeiro. Passado algum tempo, o seu único filho, ao tentar domar um dos cavalos selvagens, caiu e quebrou a perna. “Puxa, que azar o teu”, disseram os vizinhos. “Se esses cavalos selvagens não tivessem vindo, seu filho não teria se ferido.” “Talvez”, disse, de novo, o fazendeiro. Logo em seguida estourou uma guerra. O governo convocou todos os jovens da região e os mandou para a frente de batalha. O filho do fazendeiro, com a perna quebrada, foi dispensado. “Como és sortudo” disseram os vizinhos.“Esse cavalo selvagem salvou a vida do teu filho” “Talvez” foi novamente a resposta do fazendeiro...
     O que é bom e o que é ruim? Não dá para saber. Tudo depende do momento em que se vive. Só o desapego pelo que a gente pensa que tem é que nos ensina a encarar as conquistas e as perdas com sabedoria e objetividade. Nesse sentido, tudo que conquistamos ou perdemos são vistos como resultados bons ou ruins. Parentes vem e vão. A velhas crostas da vida caem para que as novas apareçam. Relacionamentos também estão chumbados à essa roda. Compramos e vendemos bens. Ganhamos e perdemos coisas. Eternamente, o mundo é um rio, cujas águas nunca param. Ele trás e leva coisas. Tudo é transitório, inclusive a própria vida. A verdadeira sabedoria é aquela que nos ensina a não enterrar nosso coração junto com os nossos tesouros e a não sofrer mais que um dia com nenhuma perda. Liberte seu coração, honrando coisas e pessoas enquanto elas existem e fazem parte da sua vida. Dê-lhes o seu devido valor e mostre seu reconhecimento pelo quanto elas o fazem feliz. Mas quando elas desaparecerem, você também não precisa morrer com elas. O nosso dia de morrer já vem gravado no nosso DNA. Não precisamos antecipá-lo, morrendo aos poucos, cada dia. Não cultive sentimentos de perda nem de posse. Viva o seu dia. Carpe Diem.

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 04/03/2018
Alterado em 04/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras