João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


Willian Shirer, americano de origem alemã, autor da obra clássica “Ascensão e Queda do III Reich,” foi talvez quem melhor retratou a experiência trágica do nazismo. Ele praticamente a viveu em toda sua inteireza, pois trabalhando na Áustria e na Alemanha, como correspondente de um grande jornal americano, pode documentar, em sua própria origem, os fatos. Ao se referir à época em que esses fatos aconteceram ele a definiu como uma época desprezível, em que os homens que governavam o mundo haviam perdido todo o senso de moral e justiça, para trocar tudo por um sentimento de poder que eclipsava todo e qualquer sinal de humanidade. Era a época de Hitler, Stalin, Mussolini, Vargas, Peron, para não falar de outros ditadores que infestavam a política mundial com seus egos gigantescos e suas ideologias odiosas.
Guardadas as devidas proporções e observadas as diferenças de estilo e forma, estamos vivendo uma época semelhante à que Shirer chamou de desprezível, pois agora está-se repetindo todas as condições ambientais e psicológicas que levou o mundo à catástrofe da primeira metade do século passado. Hoje nós temos Donald Trump, Kin Jong-un, Nicolás Maduro, Bashar Al Assad, Wladimir Putin e outros, loucos para dar razão a Nietzsche, na sua louca visão do eterno retorno.  E como as coisas tendem a se repetir sim, mas sempre em uma órbita mais alta da espiral do tempo, com certeza os resultados serão diferentes também. Como dizia o grande Alexandre Kadunc, um maiores jornalistas que este país já teve, a última manchete dos jornais será publicada em letras garrafais, mas não haverá ninguém para lê-la.
Os antigos filósofos gnósticos sustentavam que o mundo é igual em toda parte, e o que acontece no interior de um átomo é igual ao que acontece na vastidão do espaço cósmico. Na época desprezível em que Shirer registrava os atos de Hitler, Stalin, Mussolini e outros cancros que a humanidade gestou, aqui pela América latina tínhamos Vargas, Perón, Fulgêncio Batista e outros ditadores, loucos para imitar seus ídolos europeus e asiáticos. E hoje não precisaremos procurar muito para achar, na América Latina e principalmente no Brasil, os reflexos latino-americanos dos tumores malignos que infestam o mundo lá do outro lado do equador. Pois aqui temos Lulas, Temers, Bolsonaros, e de quebra alguns Ministros do Supremo Tribunal Federal, todos contaminados por essa doença, que vai e volta, como a febre amarela, e pegam nas pessoas com alguma autoridade, fazendo-as acreditar que são deuses olímpicos que tudo podem e não devem satisfação a ninguém.
Nem a Deus, que criou o mundo dos arquétipos, como dizia Platão, para dar orientação aos homens. E gerou conceitos como honestidade, justiça, moral, decência, equidade, para servir de padrões de conduta para o espírito humano e guiá-lo na construção de uma sociedade hígida e capaz de proporcionar felicidade ao maior número possível de pessoas. Mas parece que tudo isso se perdeu, ou pelo menos foi esquecido pelas pessoas que dirigem o Brasil nos dias de hoje. E quando essa noção se perde, a época se torna desprezível e indigna de ser vivida. Pena que é a nossa época, e infelizmente, somos também responsáveis pelo que acontece nela, em razão das nossas escolhas.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 04/04/2018
Alterado em 04/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras