João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


Na comunidade jurídica todo mundo conhece a anedota que diz que metade dos magistrados pensa que são deuses e a outra metade tem certeza. E que o Supremo Tribunal Federal é um Olimpo onde onze deidades se reúnem para ditar os destinos dos pobres mortais que somos nós, também é uma visão compartilhada por todos aqueles que, de alguma forma, tem alguma relação com o mundo jurídico.
Como se sabe, a perfeição moral e o cultivo da virtude não era o forte dos deuses do Olimpo. Ira, luxúria, inveja, ambição, gula e outros vícios de comportamento eram comuns entre as deidades gregas. Também não estão ausentes da personalidade dos olímpicos ministros do Supremo Tribunal Federal. A prova disso é o iracundo comportamento do Ministro Gilmar Mendes, em relação aos feitos dos seus colegas das instâncias inferiores, nos julgamentos das ações relacionadas com a Operação Lava a Jato. Gilmar parece um Zeus que foi desafiado por uma deidade menor, e do alto da sua montanha de vaidade e arrogância despeja uma saraivada de raios contra o autor de tamanha ousadia. Coisa lamentável de se ver em uma Corte Suprema que deveria contar com juízes escolhidos entre profissionais do direito com moral ilibada e notável saber jurídico, além de, claro, sem nenhum compromisso com pessoas, partidos ou ideologias, pois a função dos mesmos é exercer a guarda da Constituição.
Mas não é isso que o Dr. Gilmar e seus pupilos, Lewandowsky e Tofolli estão fazendo. Quanto aos dois últimos, sabemos que suas escolhas são ditadas pela ideologia. Eles são petistas de carteirinha e não estão gostando nada do que está acontecendo com os seus amigos do PT. Principalmente de ver que o partido que tem as suas simpatias está se esfacelando e seus principais líderes estão indo para a cadeia. Já Marco Aurélio Mello, esse sempre foi uma espécie de “bode na sala,” que só está no Supremo para satisfazer a proposição de Nelson Rodrigues, de que “toda unanimidade é burra”. Por isso, quando ele percebe que qualquer matéria já alcançou maioria, sempre acha um jeito de votar contra. Aliás, até o jeito afetado e enjoado de falar, que era a marca do grande dramaturgo carioca, ele faz questão de lembrar.
Gilmar Mendes, Lewandowsky e Celso de Mello são os mais antigos membros da Corte Suprema. De  Lewandowsky Já sabemos quais os sentimentos que informam suas posições. Já Celso de Mello, o decano, que em outras matérias sempre se pautou por uma coerência e uma ponderação digna de um Ministro da Suprema Corte, nestes casos da Lava a Jato, tem se alinhado com os seus opositores. Só podemos pensar que ele se sente incomodado pelo fato de que os juízes de instância inferior estão fazendo o que ele e seus pares deveriam fazer e não fazem, ou seja, aproveitar a deixa da Lava a Jato e botar na cadeia todos os ladrões e vigaristas que utilizam os cargos públicos para enriquecimento pessoal. É, portanto, um caso de ego ferido. Quanto a Gilmar Mendes sabemos que têm duas grandes razões sentimentais para opor-se às ações dos procuradores e juízes de primeira e segunda instância que estão processando e prendendo seus amigos políticos: a primeira é a inveja que ele tem dos magistrados que estão assumindo esse protagonismo.  A segunda é o medo de ter que julgar os seus amigos do PSDB e MDB, que forem apanhados na rede da Lava a Jato. Enquanto não havia esse perigo ele era um dos mais “justiceiros” daquela Corte. Agora mudou de lado e passou a ser o santo patrono dos criminosos de colarinho branco.  Ira, inveja, arrogância e egoísmo são pecados capitais. Mas no Olimpo do Supremo tais vícios são cultivados como virtudes. Está mais que na hora de aparecer um Prometeu para mostrar a esses falsos deuses que eles não estão lá para atender aos seus egos nem para favorecer interesses particulares, mas sim para fazer a vontade de uma nação. E esta, parece mais que provado, é ver este país passado a limpo. É o que a Lava a Jato vem fazendo malgrado a vontade das suas supremas divindades.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 12/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras