João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


O MURO DA VERGONHA
 
Mil anos antes de Cristo, o imperador Quin Shi Huang iniciou a construção de uma muralha na fronteira da China com a Mongólia. Essa muralha é hoje a principal relíquia histórica da China. A justificativa para essa magalomaníaca construção foi a necessidade de proteger o território chinês contra invasões estrangeiras. Mil anos depois, em 126 e.C, o imperador romano Adriano também construiu uma muralha na atual fronteira entre a Inglaterra e a Escócia. O objetivo era o mesmo: proteger o mundo romano contra as invasões bárbaras. A mesma justificativa foi invocada pelos russos para fazer o Muro de Berlin, separando famílias (como os americanos estão fazendo agora) e transformando os alemães em dois povos inimigos.
Muros de proteção sempre foi uma tendência do ser humano. É uma maneira de dizer aos outros que determinado território é nosso. Isso nunca impediu que as cidades antigas fossem assaltadas e conquistadas pelos inimigos. Aliás, quanto mais altos são os muros, parece que mais se atiçam as curiosidades e a vontade das pessoas em escalá-los para ver e se apropriar do que eles tentam proteger. E todos os muros acabam sendo, mais cedo ou mais tarde, escalados ou derrubados. Quando não são, tornam-se apenas relíquias históricas como a imensa muralha da China.
Quin Shi Huang, Adriano, Stalin, todos sofriam da mesma moléstia: o delírio do poder, doença que alimenta o nacionalismo doentio, o ódio racial, o xenofobismo e a total ausência de compaixão e solidariedade para com pessoas menos favorecidas. Ou que possuem cultura diferente da nossa.
É o caso do atual presidente dos EU, cujo nacionalismo xenófobo e intolerante o leva a  pensar como os megalomaníacos ditadores do passado, achando que a construção de um muro na fronteira mexicana vai impedir que os famintos imigrantes da América Latina continuem a ir para lá.
Ao que parece, o alucinado presidente americano respeita muito pouco as lições da História. Nenhuma das muralhas acima citadas impediu que os países que elas visavam proteger fossem invadidos e conquistados pelos povos que eles temiam. A China foi conquistada pelos mongóis, os romanos foram expulsos da Ilhas Britânicas, o Muro de Berlin foi demolido pelos próprios alemães. Trump e seus apoiadores não se dão conta de que não é a prosperidade da América que atrai os imigrantes, mas sim a fome e o desejo de uma vida melhor que os faz arriscar a própria vida para entrar nos EU. Aliás, esses são os mesmos motivos que levaram para lá as pessoas que fizeram a América inglesa se tornar a potência econômica que é. Muralhas não vão salvar a América das ondas migratórias, assim como não salvaram Roma das migrações bárbaras ou a China dos mongóis. Custaria menos aos EU e às nações desenvolvidas ajudar os países mais pobres a criar condições para suas populações viverem melhor em suas próprias pátrias. Ninguém deixa sua terra por prazer, mas sim por necessidade. É isso que a xenofobia demencial do Trump não consegue entender.

 
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 21/06/2018
Alterado em 22/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras