João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


HORA DE RECONSTRUIR

 
Há uma antiga parábola que fala de um velho mestre que ao se deparar com uma família de sitiantes muito pobres, perguntou a eles como conseguiam sobreviver naquela penúria.
“ Sobrevivemos graças á nossa vaquinha” respondeu o sitiante. “Ela é a nossa única riqueza. Produz muitos litros de leite por dia. Uma parte nós vendemos e a outra a gente consome. E assim a gente vai vivendo.”
“ E vocês não gostariam de melhorar de vida?” Perguntou o mestre.              
“Claro”, respondeu o sitiante. “Mas como?”        
“Vou mostrar como”, disse o mestre.
Imediatamente foi ao curral, pegou a vaca do sitiante, levou-a até um barranco muito alto e empurrou o animal para baixo. A vaca se arrebentou toda na queda e morreu.
“O que foi que o senhor fez”, perguntou, desesperado, o sitiante. “Como vamos sobreviver, agora que o senhor destruiu o nosso único meio de sobrevivência ?”
O velho mestre não disse nada. Simplesmente voltou as costas ao lamuriento sitiante e foi embora.
Alguns anos depois ele passou de novo por aquele sítio. Notou que havia uma casa nova, feita de alvenaria, no lugar da antiga choupana de pau-a-pique. Nos currais, além de inúmeras vacas gordas, saudáveis e bonitas, havia cavalos, porcos e galinhas. Além, vastas lavouras, com promessas de fartas colheitas.
O sitiante apareceu à porta e reconheceu o velho mestre. Correu a abraçá-lo.
“ Que bom que o senhor voltou” disse o sitiante. “Eu queria muito agradecer o que o senhor fez por nós.”
“O que é que eu fiz?”, perguntou o mestre, simulando surpresa.
“ Quando o senhor jogou a nossa vaquinha no precipício, nós ficamos desesperados. Ela era a nossa única riqueza”, disse o sitiante. “ Mas depois,” continuou ele, “ a gente viu que se quisesse sobreviver era preciso pensar em outras coisas para fazer, pois tudo que nós tínhamos estava perdido. Então começamos a plantar, a trabalhar para outros sitiantes, a comprar e criar outros animais, a mandar as crianças para a escola e tudo resultou nisso que o senhor está vendo aí.”
“Muito obrigado por ter tirado a gente daquela caixinha”, completou, com um largo sorriso, o sitiante.
A maioria dos nossos políticos não são sábios e nem todos agem com boas intenções. A única semelhança com o mestre da metáfora acima é o fato de eles terem jogado a nossa vaca no precipício. Isso depois de sugar boa parte do leite que ela produzia. Ao contrário do velho mestre da parábola, espero que depois que essa quadrilha de pilantras deixe o poder, a gente nunca mais escute falar deles. Mas aproveitemos a lição. A Petrobrás não é a nossa única vaca, nem o Brasil é um sitio pobre. Está mais que na hora de reagirmos. Primeiro vamos botar para fora essa corja. Depois mãos á obra para reconstruir o país. Tenho certeza que ele ficará muito melhor do que era antes.
                                                                                                  
 

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 30/08/2018
Alterado em 30/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras