João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


HITLER TINHA RAZÃO
 
Certa vez Hitler foi convocado para arbitrar discussão entre dois grupos “científicos” que divergiam sobre determinada questão. A dúvida era se o interior da terra era oco (tese defendida por um grupo de místicos teosofistas) ou se seu núcleo era preenchido por rochas e metais, como diziam os geólogos. Hitler, que não entendia absolutamente nada do assunto, deu de ombros e respondeu: “Tanto faz. Ambos podem ter razão”. Quando lhe objetaram que a ciência precisa ser coerente em seus postulados, ele respondeu que a coerência era um vício mortal.
Essa passagem está registrada no livro “O Despertar dos Mágicos” de Pauwels e Bergier. Lembrei-me dela ao ouvir o presidente eleito Bolsonaro e conclui que pelo menos no gênero, Hitler acertou. Políticos, de fato, não precisam ter coerência em seus pensamentos e ações. Assim, podem mudar de idéia e de posturas mais do que o Nei Matogrosso muda de roupa em seus shows, que ninguém vai lhes cobrar isso.
Em política, principalmente no Brasil, a coerência é, de certo, um vício mortal. Se não fosse não haveria tantos partidos políticos com tantas trocas de legenda entre eles, como  acontece em épocas que antecedem e precedem eleições. Não há tantas ideologias no mercado das ideias para justificar a existência de tantos partidos nem tantos programas partidários para suportar um número tão grande de aventureiros em busca de uma mamata, ou uma sinecura qualquer, no serviço público.
O discurso do Bolsonaro sugere que ele não tem nenhum amor pela coerência. Diz para todo mundo que seu governo não se pautará por critérios ideológicos, mas age tão ideologicamente como o mais fundamental dos petistas. Se a ideia de transferir a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém não é motivada por questões ideológicas, então nenhuma mais será. Se acabar com o Ministério do Trabalho por ele ser manipulado pelos sindicatos e estar infestado de petistas, também não é motivado por ideologia então talvez não mais existam ideologias. Também disse que não nomearia ninguém por indicação de partidos e nomeou a deputada Tereza Cristina, indicada pelo DEM.
Isso não quer dizer que ele não esteja certo. Se o governo de Israel considera que a capital do país é Jerusalém, é lá que a embaixada do Brasil deve estar. E o Ministério do Trabalho como engrenagem da máquina pública nunca serviu para nada, a não ser fornecer empregos para líderes sindicais e políticos afinados com seus interesses. Sua extinção não prejudicará o país. E a Justiça do Trabalho também não, se ele, por acaso, decidir acabar com ela.
Bolsonaro é um político de direita, mas se precisar, flertará com a esquerda sem nenhum constrangimento.  É da essência dos políticos o desprezo pela coerência. E não podemos condená-los por isso. Afinal, se usamos guarda-chuva e galochas nos dias de chuva, também precisamos de bermudas e óculos escuros nos dias de sol. Hitler tinha razão. Se até a natureza é incoerente, porque os políticos não podem ser?
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 08/11/2018
Alterado em 08/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras