João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


O QUE ACONTECEU COM O NATAL?

Nos natais da minha infância
Não havia muita abundância
Nem de comida ou de presente.
Mas como era alegre aquela gente

Trocando abraços e carinhos.
Ninguém passava o natal sozinho.

A tristeza ali era proibida.
Se alguém abusava da bebida
Uma cama logo se improvisava.
E ali mesmo, babando, se deitava
O inoportuno e chato beberrão.
Quando acordava era aquela gozação.

A mesma coisa todos os anos...
As conquistas, os desenganos,
O plano que não deu certo,
A sorte que passou por perto
Mas não parou na nossa casa.
Para a tia, o marido que não chegava.

E o vovô que vivia reclamando
Que seu dia estava sempre chegando,
E falava com toda certeza:
“ Este é meu último ano nesta mesa”.
Falava como se estivesse no finzinho.
Mas o que queria era só um carinho.

Era aí que o neto caçulinha
Ia afagar a carequinha
Do nosso falso moribundo.
Ele então suspirava fundo,
E com o olhinho bem brilhante
Soltava a rolha do frisante.

Todos gritavam e aplaudiam
Batendo as taças que se erguiam
E até mesmo quem não bebia
Naquela farra se envolvia
E dava um bico naquele vinho.
Mesmo que fosse só pelo gostinho.

O perú assado na padaria
De sobremesa a melancia;
O espaguete e o canelone
As castanhas e o panetone

Eram coisas que não faltavam.
Era pouco, mas sempre sobravam.

Quando a meia-noite chegava
Era a luz elétrica que se apagava
E uma velinha era acesa
Num candelabro sobre a mesa.

Os sinos começavam a repicar;
Então era a ora de rezar.

De mãos dadas, a nossa gente
Formava então uma corrente
E começava uma oração
Depois cantávamos uma canção:
Noite Feliz ou Batem Sinos
Saudando o Jesus Menino.

Com os pequeninos já dormindo,
Os adultos iam se abrindo
Com a bebida que rolava.
No fim sempre alguém brigava,
Por conta de um mico do passado
Que não deveria ser lembrado.

Mas logo os brigões se acalmavam,
E um ao outro se abraçavam
Como se tudo fosse brincadeira.
Afinal, era apenas a bebedeira,
Dizia o tio filósofo: “pega leve:
O que bêbado fala não se escreve.”
 
E era verdade o que ele dizia
Porque logo tudo se esquecia
Com a troca das lembrancinhas.
Coisas pequenas, baratinhas,
Para o adulto e a criança
Pois o que valia era a lembrança.
 
Agora, da minha janela apagada
Em meio à cidade iluminada
Contemplo a luz de um barracão
Onde os meus netos hoje vão

Para curtir uma balada.
Sem pernil nem rabanada;  

O vovô sou eu agora;
E com toda a família fora
Para quem vou fazer beiçinho
Para ganhar um agradinho?

Então me pergunto afinal:
O que aconteceu com o Natal?

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 24/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras