João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


“ E o corvo disse: nunca mais!”
 
 
Richard Bandler e John Grinder, os festejados criadores da PNL certamente não concordarão, mas quem inventou esse negócio de descobrir o que as pessoas pensam através da chamada linguagem não verbal foi o Edgar Alan Poe, um dos meus poetas favoritos. Se quisermos, encontraremos toda a base da Programação Neurolingüística nas estórias que ele escreveu, tendo como heroí o seu pseudo detetive Auguste Dupin, que era capaz, segundo ele, de perseguir o trem dos pensamentos de uma pessoa através dos movimentos que ela fazia com os olhos, a postura corporal, as expressões faciais, a coloração da pele, a respiração, etc. E em dado momento, como se fosse um daqueles cawboys do Velho Oeste pular dentro dele com cavalo e tudo e com perfeito conhecimento do que estava rolando ali dentro.Inspirou Conan Doyle para criar o seu Sherlock Holmes e Agata Cristie no seu Hercules Poirot, assim como outros famosos detetives literários, que parecem mais psicológos do que investigadores.
Poe, poeta louco americano, como diz uma canção do Belchior, era um verdadeiro bruxo. Se quisesse talvez pudesse bater Aleister Crowley em prestidigitações taumatúrgicas, pois ao contrário do famoso mago, ele tinha verdadeiro conteúdo de conhecimento das estruturas mentais do ser humano e sabia do que ela era capaz. Demonstrou-o em seus contos e poemas fantásticos, baseados nas ilogicidades da mente humana. Seus personagens são frutos dessas aberrações que a consciência social, humanística e religiosa da nossa cultura acorrenta nas masmorras mais profundas do nosso inconsciente e só afloram na noite dos nossos delírios, quando toda vigilância dorme. Então acordam a inquietude, a neurose, a ambigüidade, a paranormalidade, o grotesco e o bizarro, para nos dizer, numa atmosfera de pesadelo e fatalidade, que o mundo é muito mais do que pensamos que ele seja.
 
Meu primeiro contato com Poe foi há muito tempo quando eu era ainda um garoto. Nossa única fonte de lazer era um velho cinema que havia na cidade e passava velhos filmes classes B. Era onde a gente podia ir com a grana que tínhamos naquele tempo. Filmes velhos e desbotados, entradas baratas, muitas pulgas, gente que levava garrafas de pinga no bolso, bêbados que gritavam e assobiavam quando aparecia um joelho de mulher, assim era o velho cine Parque. E lá fui eu um dia assistir o Corvo, Poema de Edgar Alan Poe adaptado para o cinema, estrelado pelos inefáveis Vincent Price e Boris Karloff, os mestres dos filmes de horror. O filme não tinha nada de mais. Nem assustava. Era apenas bonito, pois tinha romance e magia, tudo contado numa atmosfera de poesia gótica e bons efeitos especiais, até avançados para a época.  O filme, embora baseado no conto título, na verdade mostrava dois bruxos (Price e Karloff) disputando a preferência(não seria a alma?) da mocinha Lenore através de um duelo de magia e prestidigitação. 
Quando cheguei em casa á noite fui ler o poema que inspirou o filme. Fiquei impressionado com a estória do corvo que aparece na lúgubre alcova do poeta repetindo um refrão soturno e sombrio, dizendo que o que foi não mais será e o passado tem um nome que é “nunca mais”. 

O Cine Parque foi demolido nos anos oitenta. Morreu de obsolecência, como morreram os demais cinemas e locais de lazer da minha juventude ecomo todos vamos um dia.  Não sou saudosista, mas quando passo em frente ao local onde ele existia (construíram um supermercado lá), tenho a impressão de ver um corvo na cumeeira do telhado me dizendo “nunca mais”. Aí eu olho para a rua e para as casas que circundam o bairro e vejo que tudo realmente mudou. Nada é como antes foi e concluo que nada será como é agora. Tudo passa e se transforma, no giro dessa roda que nunca pára. O nunca mais é apenas para os meus olhos, mas não para o universo. Para ele tudo que foi é, e sempre será.
Mas isso não me traz nostalgia. Sou muito como o Fernando Pessoa que lamentava não poder reparar o que fez de errado no passado, e não o que passou. ‘O irreparável do meu passado− esse que é o cadáver!”, disse ele. “ Todos os outros cadáveres pode ser que sejam ilusão. Todos os mortos pode ser que estejam vivos noutra parte. Todos os meus próprios momentos pode ser que existam algur. Na ilusão do espaço e do tempo, na falsidade do decorrer.”
É isso mesmo. O cosmo é redondo, o mundo é redondo, a terra é redonda, redondos são os átomos que constituem a matéria universal. Tudo gira sobre si mesmo. Tudo o que foi continua sendo e será eternamente. Nietszche é que tinha razão. Nós não nos apercebemos disso porque a nossa mente vive chumbada nessa roda do espaço-tempo, que o Fernando chamou de falsidade do decorrer. A ilusão da vida, que é uma porta da entrada para a morte, é a única passagem pela qual todos temos que passar um dia. E isso nos torna tão iguais quanto os paralelepípidos que constituiam o antigo piso, e que agora serve de contra piso para o asfalto negro, como a asa do corvo, que hoje cobre o leito da rua onde o Cine Parque um dia existiu.. 
Reconcilio-me com o meu bruxo favorito. Saudade é bom, nostalgia e tristeza pelo que já foi não é. Edgar Alan Poe, para mim, é o verdadeiro descobridor da PNL e pronto. Releio os Crimes da Rua Morgue e os outros contos que ele escreveu tendo como personagem o inefável Auguste Dupin. Aprendo que as pessoas são um complexo que pode ser  decomposto em informação e comportamento. O que elas pensam e sentem são informações, O que elas fazem é comportamento. Somente estes últimos desaparecem na voragem do tempo e na ilusão brumosa do espaço. Os sentimentos, os pensamentos, os momentos vividos, estes não. Tornam-se espíritos e sobrevivem para sempre, mesmo na falsidade do decorrer. Para estes nenhum corvo deles pode dizer “nunca mais". A eles sempre os teremos conosco.
Dito isso, faço uma oferenda. Para o corvo as minhas carnes, para o mundo os meus pensamentos, que são as bases do meu espírito.  
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 21/02/2019
Alterado em 21/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras