João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos





Bruxa diziam que ela era. E talvez fosse mesmo. Não foram poucos os que a viram lavar a cabeça, em atitude ritual, no entardecer da sexta-feira e permanecer em jejum até as horas vésperas do sábado, murmurando estranhas orações e balançando a cabeça, para cima e para baixo, como se estivesse recebendo um demônio. A par disso, ela também se recusava a comer certos alimentos muito apreciados pelo povo da aldeia, especialmente carne de porco. Como podia alguém não gostar de carne de porco? dizia o bom povo da aldeia.  
Aliás, como alguém pode dizer que é pecado comer carne de porco? Mas ela dizia que era. Não só carne de porco, também lebres e caranguejos, ostras e camarões. E outros bichos que eles tanto gostavam. 
Também não misturava, na mesma refeição, leite e carne. E justificava esse estranho comportamento com uma sentença não menos esquisita:”não cozinharás a carne do cordeiro no leite da sua mãe”,  dizia ela, quando interpelada a respeito das seus estranhos hábitos alimentares. Coisa de bruxa mesmo. 
Havia também outras coisas estranhas que ela fazia. Uma delas era nunca tocar num defunto, e quando alguém, em sua família, morria, ela jogava fora toda a água que havia em casa. Segundo dizia, cadáveres insepultos podem contaminar o ambiente, inclusive a água. Por isso, tão logo o indivíduo morria, o seu enterro era providenciado o mais rápido possível. Principalmente se a morte decorria de alguma doença contagiosa, como lepra, tuberculose, sarampo, varíola, etc. coisa muito comum naqueles tempos em que os cuidados profiláticos eram praticamente inexistentes. Falava ainda umas coisas esquisitas a respeito das almas e dos espíritos. Dizia, por exemplo, que as almas das pessoas que morriam, quando eram da mesma família, se juntavam com as almas das pessoas vivas, formando uma espécie de espírito chamado gigô(na língua do povo locaL), que tomava conta da família. Ela, por exemplo, dizia, tinha sempre junto dela o espírito do marido que havia morrido vários anos atrás.
Mas o pior de tudo era o ódio que ela tinha de padres. A vista de um padre e de um crucifixo, para ela era como a visão de um demônio. “Te arrenego, coisa ruim”, muita gente a ouvia murmurando, quando alguém lhe apresentava uma cruz com a imagem do Cristo crucificado.
Fora isso tinha também fama de benzedeira. Costumava dar estranhos passes em seus filhos e alunos, murmurando estranhas palavras numa língua desconhecida, que segundo se dizia, era a língua dos anjos renegados, que tinham sido expulsos do céu pela hostes do Arcanjo Gabriel.
 
Porém, o que mais incomodava o bom povo da aldeia onde ela morava era aquela escola de boas maneiras para moças, que ela fundara. Pois todas as raparigas da aldeia queriam estudar nela, para aprender a ler, a costurar, a bordar, a andar, a sentar-se, coisas que, num lugar como aquele e naquela época, só podiam mesmo ser inspirações do demônio. Mas a danada era mesmo cativante, pois todas as moças prendadas do lugar iam lá aprender com ela esses tratos de moça fina, que diziam ser próprias das donzelas da Corte. Como todas esperavam, um dia, se casar com senhores de alta posição e ir parar na Corte de El Rey, então era preciso aprender essas finuras.
Diziam uns que ela tinha vindo de Portugal já marcada como bruxa pela Santa Inquisição. Que tinha sido condenada por práticas heréticas na metrópole, mas tendo abjurado suas crenças malignas, e se arrependido, fora autorizada a vir para o Brasil se juntar ao marido, que para aqui se arribara no contingente de colonos trazidos por Duarte Coelho para ocupar a capitania de Pernambuco. Mas tendo chegado ao Brasil, terra ainda inóspita e de pouca civilização, sentindo-se menos vigiada pelo Santo Ofício, voltara a praticar suas heresias, montando no engenho do marido uma “esnoga”, espécie de igreja sem santos, onde ensinava aos escravos, caboclos e índios do lugar uma estranha religião, cuja deusa era uma “torá”, que segundo se dizia, seria a única fonte da verdade religiosa que Deus queria que o povo aprendesse. Todo o resto, mesmo as coisas que o padre falava nas missas não prestava, pois a única verdade vinha da tal “torá”, que estava escrita em um grosso livro de capa negra, com umas letras enigmáticas na capa, que segundo dizia o pároco local, era escrita na língua falada pelos demônios.
Se mais não bastasse para ela ser considerada uma verdadeira bruxa, tinha ainda aquela mania, que ela cultivava, de estocar em sua casa artigos de prataria. Ela gostava de coisas feitas com esse metal. Ora, todo mundo sabe que a prata é um metal que tem poderes sobrenaturais. Lobisomens só podem ser mortos com balas de prata. Os alquimistas trabalhavam com prata em suas estranhas manipulações; prata é metal que tem estreita ligação com a lua e exerce estranha influência sobre o espírito das mulheres. Tudo isso só prova que quem tem ligações com esse metal só pode ser simpático ao maligno.
E ela tinha muitos objetos de prata em casa, os quais foram a primeira coisa que os padres mandaram confiscar quando ela foi presa. Só que antes de eles botarem a mão no tesouro dela, a danada mandou jogar tudo dentro de um lago. E por causa disso, o lago ficou encantado. Suas águas, que eram escuras, tornaram-se claras como uma noite de lua cheia, o que uma vez mais provou para a gente daquelas terras, que aquela mulher era mesmo uma bruxa.
 
E para entornar mais ainda o caldo, ela era danada de sedutora. Dizem que justamente o padre que foi encarregado de extrair-lhes as confissões acabou se apaixonando por ela. Nessa época, ela era uma jovem viúva, e dizem, muito bonita. Caído de amores por ela, mas não podendo usufruir publicamente desse amor, já sua profissão de fé o impedia, ele se contentou em esticar o quanto pode o processo, para evitar que ela fosse condenada e mandada para a metrópole para lá ser queimada na fogueira. E ela, tanto quanto se sabe, jamais cedeu aos desejos lascivos do padre, mas, segundo se diz, foi esperta o suficiente para mantê-lo na esperança, de um dia, entregar-se a ele.
Assim conseguiu levar o processo até sua morte, que aconteceu de forma natural, sem ser conduzida, em vida, à fogueira. Morreu no cárcere, sem ser sentenciada. Mas mesmo depois de morta, o processo inquisitório prosseguiu. Até que, trinta anos depois de sua morte, seus ossos foram desenterrados e mandados para a metrópole para serem queimados. Afinal de contas ela era bruxa, e estas, mesmo depois de mortas, ainda continuam a exercer suas maléficas influências, pois segundo diziam os padres, o espírito das bruxas continuam guardando seus corpos até que seus restos mortais desapareçam por completo. 
O que pesou nessa judiciosa decisão tomada pelos santos padres foram as histórias que passaram a ser contadas a respeito dessa estranha mulher. Pois diziam que ela aparecia todos os anos na beira do lago onde jogara a sua prataria, nas noites de lua cheia do plenilúnio do mês de agosto. E que sua alma morava naquele lago, onde ficara guardando a prataria que em vida atirara ali. E diziam também que quem se aventurasse a mergulhar naquele lago em busca do tal tesouro perdido nunca mais voltava. Só seus ossos eram encontrados depois na beira do lago, mas já em forma de cinzas.
 
Lenda ou realidade, essa mulher realmente existiu. Uns dizem que sua história aconteceu na Paraíba, outros afirmar que em Pernambuco. Mas seja onde for, a verdade é que, em ambos os estados há muitas histórias sobre uma mulher loura, vestida de branco, que costuma aparecer nas estradas e nas margens dos rios, assombrando caminhoneiros e viajantes desavisados. A quem consegue vencer o pavor que esse espectro provoca, ela conta a sua triste história. Diz que seu nome é Branca Dias e que foi processada e torturada pela Santa Inquisição, tendo depois seus ossos queimados numa fogueira.
Afirma que nunca foi bruxa, mas apenas uma mulher que se recusou a abandonar a sua fé. Vitima da intolerância, do fanatismo religioso e da ditadura espiritual que alguns grupos tentam impor sobre os outros, o seu espírito só encontrará a paz quando a humanidade entender que Deus é um só, mas a forma de cultuá-lo pode ser muitas. Ela era judia, e como tal foi vítima da perseguição que a Igreja moveu contra o seu povo durante milhares de anos.
Na Paraíba existe uma Loja maçônica com esse nome e não são poucos os maçons que fazem dela a sua heroína, na luta contra a intolerância e o fanatismo religioso. *
______________________________________________________________
*Nota: Branca Dias foi uma portuguesa de nacionalidade judia, que viveu, segundo alguns autores, na Paraíba. Outros dizem que em Pernambuco, em fins do século XVI ou meados do Século XVIII. Sendo de origem judaica, era considerada cristã-nova, ou seja, uma judia convertida ao cristianismo. Acusada pela Igreja pela prática de Judaísmo, foi condenada por heresia pela Igreja Católica, e morreu na masmorra,  tendo seus ossos incinerados em Lisboa. A ignorância do povo da colônia, que pouco sabia das práticas dessa religião, criaram para ela uma auréola de bruxa, no que foi amplamente secundado pela intolerância e pelo fanatismo dos padres que conduziram o seu processo. A condenação de Branca Dias é um dos poucos registros de caça as bruxas que se tem notícia no Brasil. Sua história foi explorada em vários livros e já foi objeto de uma instigante peça teatral escrita por Dias Gomes e estrelada no teatro e na televisão por Regina Duarte no papel da protagonista.

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 01/04/2019
Alterado em 01/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras