João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


A TRAGÉDIA DA NOTRE DAME

 
Num tempo em que a religiosidade era uma qualidade da alma e os templos da cristandade erigidos para honrar a grandeza de Deus ou do santo que o patrocinava, o ser humano era lembrado apenas em sua pequenez diante do mistério da magnitude divina. Naqueles tempos a catedral gótica era o “Santuário da Tradição, da Ciência e da Arte” como diz Fulcanelli (O Mistério das Catedrais, 1920) e não devia ser olhada apenas como o local onde as pessoas podiam sentir-se em comunhão com Deus, mas sim como um simulacro do universo, onde todas as manifestações da existência humana se condensavam e encontravam o devido encaminhamento. Esse era também o sentimento dos maçons que as construíam, profissionais que no exercício da sua profissão, acreditavam estar realizando obra semelhante à que Deus fazia na construção do edifício cósmico.
A catedral refletia todas as tendências da vida medieval, pois nela realizavam-se assembléias políticas sob a presidência do bispo, discutia-se o preço do trigo ou do gado, a cotação dos tecidos, etc. E não havia corporação de ofício que não levasse a obra prima do seu novo companheiro para ali ser benzida. Assim, tudo devia passar pela benção sacerdotal, fazendo da catedral o edifício mais importante da comunidade.
Os tempos são outros, mas essa antiga disposição que liga o espírito da cristandade ao seu templo mais representativo não mudou. Por isso justifica-se a multidão que chorou, rezou, cantou e se escabelou ao ver as chamas consumindo a Notre Dame de Paris, a mais representativa das igrejas medievais da Europa. Independente da religião professada, ela foi tomada por um estupor quase místico, como se a população de Paris visse no incêndio do colossal edifício uma imagem simbólica do momento conturbado pelo qual passa a sociedade francesa, sacudida por uma crise social, política e econômica semelhante às que precederam os movimentos de 1832 (Cerco da Rua São Dinis) e a revolta dos estudantes em 1968, liderado por Daniel Cohn-Bendit.
Notre Dame de Paris sempre foi um tambor onde o eco do espirito revolucionário francês acaba ecoando. Desde os primórdios de sua construção, no século XII, todas as eclosões do sentimento popular desembocam ali. Durante a Revolução Francesa foi apontada como símbolo da ganância e da tirania do clero e acabou sendo saqueada pelo povo enlouquecido pela pregação iluminista. Foram também os seus sinos que anunciaram a libertação da França da ocupação nazista em abril de 1944.
Ela é o coração do povo francês. E está conectada ao espírito da civilização ocidental. Por isso a comoção mundial com o incêndio que quase a destruiu.  Por ter acompanhado oito séculos de vida da história ocidental ela é o retrato vivo das transições sofridas por essa civilização na luta para superar suas próprias contradições.  
Torcemos para que seja logo reconstruída. Mas que na sua nova roupagem não perca a atmosfera de magia e encantamento que é a sua maior característica.
 

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 22/04/2019
Alterado em 22/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras