João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


QUANTO PIOR, MELHOR

“Sitting on a sofa (sentado no sofá)
On a Sunday afternoon ( num domingo á tarde)
Going to the candidates' debate (vendo politicos debatendo)
Laugh about it, Shout about it (pode rir e gritar)
When you've got to choose (quando você tem que escolher)
Every way you look at it you lose.”(cada vez que você olha para eles você perde)
                                              Simon & Garfunkel- Ms Robinson
 
Antes de qualquer coisa quero dizer que sou funcionário público aposentado há quase vinte anos. Aposentei aos 55 anos de idade, depois de ter contribuído para a Previdência durante 39 anos, pois tinha carteira assinada desde os 16. Como a lei permite a acumulação do tempo de trabalho na iniciativa privada com o tempo que se trabalha no governo, pude aposentar pelas regras do serviço público, recebendo salário integral. Continuo recebendo hoje o que recebia quando estava na ativa. Só que não preciso fazer nada para isso.  Se alguém me disser que sou um privilegiado do sistema não vou contestar porque é a pura verdade.
Em 1994, quando Fernando Henrique Cardoso propôs a PEC 94, que instituía uma contribuição de 11% sobre as aposentadorias dos servidores públicos federais, fui convocado pelas lideranças do meu sindicato para votar a realização de uma greve em repúdio a essa medida. Dos mais de duzentos membros presentes naquela assembléia fui um dos cinco que levantaram o braço contra a realização da greve. Quando me perguntaram o porquê da minha opção, respondi que achava profundamente injusto o sistema que privilegiava uns poucos, como nós, em detrimento de tantos. Porque no fundo, quem pagava por isso eram todos. Fui praticamente expulso da assembleia e só não levei umas porradas porque consegui sair do salão antes que alguém me pegasse.
Lembrei-me desse episódio ao ver, ontem, a seção da Câmara dos Deputados, na qual o Ministro Paulo Guedes e sua equipe defendiam a reforma da Previdência. As perguntas e os discursos dos deputados, tanto a favor como contra, mostrou o nível dos parlamentares que nós elegemos. Baixíssimo. Salvo raras exceções, a grande maioria está pouco preocupada com o que pode acontecer ao país. Estão ali apenas para defender interesses corporativos e pessoais. Especialmente os deputados da chamada esquerda, que, ao que parece, não aprenderam nada durante os dezesseis anos que seus partidos governaram o país. O discurso dessa gente é simplesmente asqueroso. É o discurso do quanto pior melhor.  Pouco importa que o país inteiro vá para o brejo, desde que possam botar a culpa nos adversários. Votei no Bolsonaro porque me cansei de ver o PT e seus aliados saqueando o país. Confesso que até o momento, o atual governo tem sido uma decepção, mas sou obrigado a reconhecer que o ministro Paulo Guedes e sua equipe estão fazendo um grande esforço para consertar o que os petistas estragaram. Não sei se as teses ele defende estão corretas ou não. Isso só poderá ser avaliado daqui a algum tempo. Certo é o que dá resultado. O resto é conversa de botequim. No fundo, ideologias são como religião e futebol. Cada um tem a sua e nenhuma é melhor do que a outra. Agora, que dá raiva ouvir o discurso desse pessoal da esquerda, isso dá. Lembra aquela canção da dupla Simon e Garfunkel. Cada vez que a gente olha para eles sente que está perdendo alguma coisa.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 09/05/2019
Alterado em 09/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras