João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


 
Hoje o dia amanheceu incrivelmente escuro
Como se a noite quisesse prolongar seu turno.
Achei que finalmente o céu desabaria em chuva,
Toda a chuva que nós estamos precisando.
Mas não choveu. Foi somente uma ameaça.
E o noticiário matutino continua a explorar
Os mesmos escândalos políticos
E as mesmas tragédias cotidianas,
Que a loucura humana provoca todos os dias.
 
Por dois motivos precisamos de um novo dilúvio.
Seja para encher as nossas represas quase secas,
Seja para afogar de novo a humanidade pecadora,
Que depois de tantas tentativas de Deus para salvá-la
Não consegue mesmo se tornar digna desse carinho.
Não aguento mais ouvir falar de tanta corrupção
E de tanta criminalidade impune.
Nem de fundamentalistas da direita e da esquerda
Que só conseguem pensar neles mesmos
E na defesa de suas crenças esereotipadas.
 
Uma carótida entupida levou-me para o hospital.
Veias que entopem são como avenidas de uma
Grande cidade. Obstruções levam ao colapso e Ninguém pode prever as consequências.Pena que Nossos congressistas não levem em conta essa Analogia: obstruem pautas importantes para o país
E não deixam nada andar quando
Não são dos seus interesses.
Para complicar peguei pneumonia no hospital
E agora tenho que cuidar do ar e do sangue
Que respiro, senão, daqui a pouco
Não terei nem outro.
 
O mundo está de ponta cabeça.
Chove tudo em lugar só ─ onde não precisa chover─
E nem um pingo onde a necessidade é premente.
Os paulistanos se afogam nas águas pútridas
Que sobem dos seus rios contaminados
E morrem de sede por falta da água limpa que deveria sair
─ E não sai ─ da boca das suas torneiras niqueladas.
Enquanto isso sai mais impropérios das bocas
dos políticos e dos administradores públicos
Do que água tratada torneiras.
 
 
Tanto faz que Deus queira nos matar de sede,
Ou afogados nos nossos próprios detritos:
Nós somos os únicos culpados disso tudo mesmo,
Porque destruímos nossas florestas e poluímos os nossos rios.
Só peço a Deus que se ele estiver pensando em acabar com tudo outra vez
Para começar de novo, que Ele não procure um novo Noé.
E ao invés de profetas malucos e redentores ingênuos
Nos um mande alguns administradores competentes.
─ E se não for pedir demais ─ alguns políticos honestos e alguns magistrados imparciais.
E por favor, acabe de vez com essas malditas caixinhas eletrônicas que destruíram a nossa salutar forma de comunicação.
Eu gostava tanto daquelas cadeiras na calçada,
á tarde, e daqueles velhos papos descomprometidos
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 22/06/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras