João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


TERRÍVELMENTE EVANGÉLICO
                                                                              ♀
Dois defuntos chegaram á porta do céu juntos. São Pedro consultou os passaportes dos dois e viu que o primeiro era um trabalhador que se dizia ateu, mas todos os registros o davam como uma pessoa muito honesta. Sua ficha também dizia que ele criara uma bela família e fora muito útil para sua comunidade.
São Pedro foi logo carimbando o seu passaporte. ─ Pelo visto você foi um bom homem. Seja bem vindo ao céu, meu filho.
Depois examinou a ficha do outro. Tratava-se de um padre, muito rígido em questões de moral e ferrenho defensor da ortodoxia religiosa.
São Pedro olhou para ele com satisfação. “Eis um dos nossos”, pensou consigo mesmo. “Um batalhador pela nossa causa, defensor da Igreja que eu fundei.”
─ Seja bem vindo, meu filho. Pessoas como você enobrecem a Igreja─ disse ele ao padre.
Escolheu uma chave, abriu uma das portas laterais e mandou o padre entrar numa sala ao lado, onde dois anjos fixaram nas suas costas um belíssimo par de asas. Em volta de sua cabeça colaram uma linda e vistosa auréola, tão luminosa e colorida, que pareciam órbitas de um elétron em volta do seu núcleo.. 
O padre ficou felicíssimo.  Ele era, agora, um anjo.
São Pedro o olhou de alto a baixo e soltou um assobio de satisfação. 
─ Ótimo, meu filho! Você está lindo. Agora escolha uma nuvem e comece a fazer o seu trabalho.
─ Desculpe, Santo Apóstolo ─ disse o Padre. ─ Não entendi. Se agora sou anjo, não deveria ir para o céu?
─ Ah! Esqueci de explicar para você que os anjos não moram no céu. Eles são guardiões da obra de Deus. Por isso vivem nas nuvens observando o mundo e intervindo nele para corrigir desvios e erros que possam colocá-lo em perigo de extinção. 
─ Mas, Santo Apóstolo, isso não é injusto? Que adianta ser anjo? Rezei a vida inteira e agora vou ter que trabalhar eternamente? Isso não é uma inversão de valores? Porque aquele ateu pode entrar no céu e eu, um anjo, devo trabalhar? ─ choramingou o padre. 
─ Ah! Isso é outra coisa que precisa ser explicada ─ disse São Pedro. ─ É que o céu não se conquista com rezas, mas sim com obras e virtude. Cada um escolhe sua forma de recompensa. Você escolheu a sua. Agora, vá para a sua nuvem, meu filho, vá...

Dedico esta metáfora ao presidente Bolsonaro. Para dizer a ele que nenhuma religião tem o monopólio da virtude. Um ministro do STF precisa ser honesto, imparcial, ter reputação ilibada e notório conhecimento jurídico. Não precisa ser “terrivelmente evangélico”. A propósito, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, o casal Garotinho também são evangélicos. E a não ser que o presidente esteja pensando em substituir a Constituição pela Bíblia, é melhor ele começar a procurar um profissional com essas qualidades, porque no seu ministério já há fariseus demais.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 10/07/2019
Alterado em 11/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras