João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos




 
Meu coração aprende com o trabalho da árvore
O ofício que lhe ensinou o Sublime Mestre Artesão.
De dia capturo a luz e dela tiro meu combustível.
Como abelha, fabrico maciços blocos de energia,
Contribuinte que sou do inconcebível universo.
No tempo e no espaço essa função é que me guia.

 
Meu coração aprende com a imobilidade mineral,
Da pedra imóvel na sua lenta e segura transformação.
Em seu íntimo, o ígneo espírito do universo trabalha,
Presidindo o processo pelo qual a matéria bruta
Ganha mérito para se tornar matéria orgânica.
E nessa fórmula se consagra a gênese do universo.

 
Meu coração aprende com a efemeridade das mariposas,
E a quase eternalidade do majestoso rei carvalho.
Daquelas aprendo prudência, este me ensina paciência,
As pilastras onde a vida arma a rede do equilibrio.

E com a humildade suntuosa dos que cavalgam a luz
Meu coração amadurece e faz a travessia do espelho.
 
Meu coração discípulo aprende parindo a luz,
Num exercício simples de potência adquirida.
Nele, a natureza nua, diáfana, donzela mineral,
Observa, de longe, o pássaro chocar o ovo,
E vê de perto o buraco negro parindo uma estrela.
O segredo da existência se revela aos meus senitidos.

 
Meu coração aprende subindo degraus de evolução,
Desvendando a fórmula das coincidências cósmicas
E nelas acrescentando o valor da continuidade.
Meu coração conjuga o Verbo Fundamental
E a montanha discreta lhe revela seus mistérios.
Tudo que era sem nome adquire identidade.

 
Meu coração aprende espionando a Natureza,
Em seu momento de mais total intimidade.
Como um menino pelo buraco da fechadura,
Espia a própria Mãe se despindo para o Amor.
Meu coração se torna cúmplice da curiosidade,
O pecado fundamental que nos deu a humanidade.



Meu coração aprende observando a singularidade
Sem, no entanto, perder de vista o que é constante.
Do microcosmo adquire todas as propriedades,
E do macrocosmo vai desvendando a identidade.
Meu coração faz a síntese da eventualidade,
Onde o mundo, em cada evento, se repete a cada instante.
 
Meu coração aprende recusando a semelhança,
Sem, no entanto, descartar a existência da similaridade.
Ele sabe que no sincronismo das ações universais
Foi garantida a existência da pluralidade.
Meu coração aprende no silêncio das estrelas
A canção que elas modulam na eternidade.

Meu coração aprende bebendo o orvalho inocente,
Destilado na básica manhã do universo.
Experimenta a emoção cósmica de embarcar
Na sua primeira e essencial aventura mágica.
Meu coração, temperado em sal celeste,
Gaseifica, coagula, evapora-se em espírito.
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 02/08/2019
Alterado em 03/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras