João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


MARX NÃO TINHA RAZÃO    
 
O momento conturbado que vivemos encarece a importância de filtrar o mundo que entra em nossa mente. Se não fizermos isso ela será contaminada pelo estado geral de pessimismo, desconsolo, conformismo e até sentimentos de ódio por pessoas que sequer conhecemos pessoalmente, mas que a mídia aponta como responsável por alguma mazela que está concorrendo para criar esse ambiente degradante em que estamos vivendo.      
   Se o mundo lá fora está ruim, contaminado pela corrupção, falta de caráter, malandragem, é porque ele degradou-se primeiro em nossas mentes. Deixamos que se disseminassem, em nossos espíritos, os modelos de sucesso a qualquer custo,  desvinculados de qualquer ecologia moral. Isso está patente na proliferação das igrejas que pregam a farsa do milagre comprado, na dinâmica dos realities shows, que propagam, de forma subliminar, o culto da malandragem e da manobra subreptícia como forma de sucesso nas relações pessoais, e principalmente no comportamento mafioso dos sindicatos, partidos políticos e grupos alternativos, como os das torcidas organizadas e comunidades internautas, que se socorrem da estrutura quadrilheira para praticar seus atos criminosos.
     Quando ética, moral, responsabilidade e compromisso com a vida humana - virtudes que dão vigor ao caráter das pessoas - são desprezadas, o caos se instala na sociedade. Nossa mente não opera no vazio. Ela precisa de material para trabalhar. Se a ela dermos lixo, ela nos devolverá lixo processado; se a ela dermos uma boa matéria prima, ela nos devolverá produtos de alta qualidade. Essa é a função de um bom sistema de educação. 
    Precisamos aprender uma forma diferente de educar nossas mentes. Quer dizer: precisamos de uma educação que recupere pressupostos onde a ecologia do sistema encareça especialmente a questão ética e a moral, de forma que tanto o ambiente interno, do indivíduo, ou seja, o seu espírito, quanto o externo, o seu comportamento social, não sejam contaminados por conta desses vícios de caráter. 
    Nossos modelos culturais contemplam o pressuposto marxista segundo o qual a forma pela qual ganhamos a vida (a superestrutura) determina a forma pela qual pensamos e sentimos (a infraestrutura). Isso pressupõe que é a matéria que alimenta o espírito e não o contrário. A conclusão é que quanto mais podre o nosso ambiente externo estiver, mais deteriorado se apresentarão os indivíduos em seu caráter. É o hábito fazendo o monge e não o monge dando qualidade ao hábito.
    Está na hora de mudarmos essa forma de pensar. Se não acreditarmos que podemos ser melhores do que somos, então estamos de fato perdidos. E aí só nos restará pedir a Deus um novo dilúvio (ou outra catástrofe qualquer) para acabar com o que existe hoje e tentar começar tudo de novo. 
    Mas eu quero acreditar que o velho Marx não tinha razão. Nenhuma sociedade existiria se o nosso espírito não a tivesse projetado e não haveria matéria se Deus não a tivesse manifestado. Assim, podemos ter esperança, e começar uma mudança a partir de nós mesmos.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 08/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras