João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


PODRES PODERES
 
Sempre tive simpatia pelo sistema parlamentarista de governo. Acho que seria uma tentativa válida para um país como o Brasil, cuja história está vinculada ao caudilhismo, ao autoritarismo e ao messianismo, que afloram toda vez que o pais enfrenta dificuldades políticas. O atual sistema, centrado num Poder Executivo forte, secundado por um Legislativo corporativista e faccioso, e um Judiciário, que não raras vezes, transborda das suas funções de freio e contra peso ao poder de um e outro, para servir a facções políticas, reflete a deformação que a vontade das pessoas que os exercem lhes provoca. É o que está ocorrendo no país no momento atual. Elegemos um chefe do Executivo que pensa poder fazer o que bem entende por conta dos votos que recebeu em uma eleição, na qual pouco mais da metade dos habitantes do país votaram. E ele, que recebeu menos da metade do eleitorado habilitado a votar, acha que sua vontade representa o total da população, e tudo o que ele pensa ser o melhor para o país é, de fato, o que deve ser feito. Por outro lado temos um Parlamento temendo que  o espírito messiânico do Presidente desemboque num autoritarismo que ninguém deseja que se repita no país. Por conta disso, morde de um lado e assopra de outro, criando insegurança jurídica e turbulência política. Correndo por fora dessa raia temos um Poder Judiciário com membros muito ciosos das suas prerrogativas. Seus integrantes, especialmente os do Ministério Público, da Magistratura e da Polícia Federal, depois do advento da Lava a Jato, conquistaram tanto território nessa guerra de poder, que agora dificilmente abandonarão trincheiras sem luta. E, principalmente alguns ministros do Supremo, juntamente com os integrantes do Ministério Público (o que já é uma tendência natural deles), só ouvem os próprios egos, e a cada dia, jogam mais lenha nessa fogueira de vaidades.
Não são outras as razões dos embates que estão colocando os meios políticos do país em polvorosa, dificultando a realização das reformas que o país precisa para sair do pântano de atraso em que se encontra. Assiste-se a uma guerra surda entre lideranças, como se a razão dessa gente estar lá, exercendo os poderes que lhes foram conferidos, fosse a assunção de um protagonismo egocêntrico e vaidoso, e não o cumprimento da função constitucional de cada um, que deveria ser exercida de forma harmônica e complementar entre eles. Exemplo desse exercício de egoísmo corporativo que os podres poderes da nossa República nos estão dando é o absurdo projeto de lei que foi aprovado pela Câmara dos Deputados, limitando as autoridades policiais e judiciárias no exercício das suas funções constitucionais. Esse projeto é uma clara reação dos políticos contra a atuação das autoridades policiais e judiciárias, que com a Operação Lava a Jato, começaram a incomodar os congressistas, já que uma grande parte deles está envolvida em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.
Como disse, sou fã do Parlamentarismo, com voto distrital e partidos políticos fortes, com programas definidos. Mas antes que esse regime seja instituído é preciso uma profilaxia no sistema, para que possamos, de fato, eleger verdadeiros representantes do povo, e não apenas carreiristas que só querem defender interesses próprios e dos lobbies que os elegeram. Com isso também talvez possamos fazer uma limpa no Judiciário, com eleições diretas para os principais cargos, acabando com as indicações comprometidas e compromissadas com as pessoas e os esquemas a quem elas servem.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 23/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras