João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos



 
Bem de manhã, sol começando a raiar,
Eis-me passeando, numa praia deserta. 
Sentado na areia, meus olhos a vagar
Me sentindo albatróz, planando no ar.
- Ou um barquinho, com a vela aberta.
 
Aonde vou? Alguém pode querer saber, 
Para mandar procurar os meus restos 
Se porventura alguma coisa acontecer,
Ou se por outra eu vier a desaparecer;
- Ou ocorrer quaisquer outros funestos.
 
Mas eu não sei onde eu quero aportar,
Meu pensamento não tem timoneiro;
É só um barco na imensidão do mar,
Ao sabor das ondas e correntes de ar; 
- Nem ele tem idéia do seu paradeiro.
 
Sem rumo certo, como o antigo viking,  
O pensamento navega por ilhas ignotas,
Onde a lua descansa, o sol se extingue,
E o penhasco mais alto é um estilingue
- Arremessando no ar pedras-gaivotas.
 
 Nuvens branquinhas parecem coladas 
Na abóbada do céu, tinta de metileno;
E a Aurora - menina de faces coradas-
Lindos cabelos de madeixas douradas,
Penteia-se no vento que sopra sereno.
 
E na lassidão desse horizonte infinito,
Onde mar e céu uma só coisa parece;
Nem Zéfiro com seu estridente grito,
Soprando nas grutas um irritante apito,
Pode fazer com que o tempo se apresse. 
 
Sem lugar para ir ou pressa de chegar
E o chicote das ondas batendo na proa
No doce embalo do meu berço no mar
Chego até a dormir e consigo sonhar.
- Meu pensamento é um barco que voa.
 
No embalo do sonho, no meu flutuar, 
Ao longe diviso um contorno de ilha.
Parece-me ouvir uma mulher a cantar
Uma melodia suave, canção de ninar,
-Será acalanto de mãe a velar sua filha?

Mas logo percebo que ali é o rochedo 
Onde Lígia-sereia canta a sua canção. 
Todo marujo sabe, pois não é segredo,
Que o cantar da sereia é doce enredo,
Que leva do homem alma e coração.  
 
O temor da loucura é uma coisa real! 
E não é difícil enlouquecer de paixão. 
Por isso me afasto desse rochedo fatal;
E fecho os ouvidos ao canto infernal;
- O que menos desejo é perder a razão.
 
Acordo aliviado por escapar dessa teia,
Mas logo não posso conter o meu riso,
Admirando você, ao meu lado na areia.
Pois me dei conta de quem era a sereia,
E que por sua causa eu já perdi o juízo.

              Então me pergunto:

Por que devo buscar no sonho a verdade
Se já estou vivendo com ela na realidade?

 
 
 
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 07/09/2019
Alterado em 07/09/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras