João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos



O Papa reclama do tratamento
Dado aos africanos clandestinos  
Que tentam fugir do sofrimento
E encontrar melhor destino               

Nas belas terras da Itália, 
Para suas pobres vidas párias.
 
Mas a sua igreja continua 
A condenar os preservativos
E dessa forma perpetua
A população de mortos vivos,
Que a ignorância faz nascer 
E a fome só faz crescer.
 
Damos tanto valor  á vida              
Mas destruímos o ambiente
Que é a fonte de comida
Que alimenta tanta gente.
Formidável contradição!
Como entender essa razão?
 
Todo recurso é finito
E infinita a necessidade
O dividendo é restrito
Mas o divisor tem liberdade;
Onde nos levará a equação
Desta triste contradição?


O número de bocas aumenta
Em progressão geométrica,
Mas a comida que as alimenta
Se mede com fita métrica;
Quanto ao controle da população
Isso está fora de questão.
 
Pois tudo isso é Deus que vela.
Já que toda vida é querida.
Por mais mesquinha que ela seja
Sempre deve ser defendida.
Se não passa do primeiro ano
Que importa? - é direito humano.
 
E a gente ainda se espanta
Por o mundo estar tão violento.
E pela corrupção ser tanta,
Que se tornou um instrumento
Da rápida ascensão social
De uma classe profissional.
 
O serviço público e a política
Com seus concursos e eleições
São hoje coisas mais crípticas
Do que as antigas iniciações,
Sociedades secretas de falsários
Ladrões e salafrários.

Os adolescentes podem votar
Mas não podem ser processados
Por roubar e por matar.
Políticos não são responsabilizados
Pelos crimes que cometem
E nunca cumprem o que prometem.
 
Nossos guias espirituais
Que deviam ser impolutos
Hoje são os que pecam mais;
Fizeram da religião produtos
Que eles vendem muito bem
Mas já não salvam mais ninguém. 
 
E aí vem o mestre da auto-ajuda
Que tem a receita da felicidade.
Sua fórmula nunca muda:
Basta pensar com positividade.
Se fizermos tudo com amor,
O universo conspira a favor.
 
A favor de quem eles não dizem
Mas garantem que dá certo;
E se os fatos os contradizem
É você que não é esperto,
Pois o cavalo passou encilhado  
Azar seu por não ter montado. 
 

Quem vende droga é bandido,
Mas quem compra e usa é coitado;
O primeiro deve ser reprimido
O segundo merece ser tratado.
Mas a verdade é bem mais dura:
Só há oferta porque há procura.
 
Assim caminha a humanidade,
Para um imprevisível futuro.
Talvez exista alguma claridade,
No fim desse túnel escuro,
Mas só veremos de novo o dia,
Tirando os óculos da hipocrisia.
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 22/09/2019
Alterado em 22/09/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras