João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


A LANTERNA DO SUBDESENVOLVIMENTO

Acabo de voltar de uma viagem por terras de Portugal e Espanha, onde fui visitar parentes e a amigos que estão morando lá. Não tem jeito. A gente fica comparando. Qualidade das estradas, dos serviços públicos, dos produtos oferecidos á população, a educação do povo e principalmente o padrão de segurança que os cidadãos das urbes européias gozam. Tanto nas pequenas quanto nas médias cidades, é possível andar a pé, de noite, sem o medo de ser assaltado. Claro que existe esse risco, mas ele não se compara, em termos de possibilidade, às cidade brasileiras, mesmo as pequenas e pacatas comunidades do interior, que em outros tempos eram paraísos de tranquilidade. Em Madri, Barcelona, Córdoba, Lisboa e Porto, grandes cidades onde estive, notei a responsabilidade com que as pessoas, pedestres e motoristas respeitam as leis de trânsito, por exemplo. Raros os indivíduos que cruzam uma rua fora das faixas de pedestres e quase não se vê motoristas deixando de parar á vista de uma. Fiquei alguns dias em Aveiro, Portugal, hospedado com um parente que está trabalhando lá. Aveiro é uma espécie de Veneza portuguesa. Cortada no seu centro por vários canais, é uma grande atração turística que recebe muitos brasileiros. Encontrei muitos por lá. Mesmo nesta época, em que o outono está começando, e o frio começa a chegar na região, ela se apresenta apinhada de turistas. Dá gosto ver o movimento de pessoas de tantas nacionalidades, falando diversos idiomas nos restaurantes, nas lojas e nas estações de ônibus e de trens.
A propósito, viajei pela Espanha e por Portugal de trem. Que maravilha. Comboios rápidos e modernos, que estão sempre no horário programado. Em ambos os países, pode-se ir a qualquer cidade por via férrea. Eu e minha esposa percorremos boa parte da região espanhola da Andaluzia de trem. E em Portugal, andamos por quase todo o país. E nessas horas fiquei pensando na estultice dos governantes brasileiros, que preferiram desenvolver uma matriz de transporte baseada na rodovia, preterindo o transporte ferroviário, muito mais barato, eficiente e menos destruidor de ambientes. Lembrei-me que essa opção foi escolhida por Juscelino Kubitschek para atrair a indústria automobilística para o Brasil e com ela alavancar o seu sonho utópico de uma marcha para o oeste, através da construção de uma capital no cerrado. Deu certo de um lado, pois trouxe modernidade e investimentos para o país, mas de outro prejudicou uma matriz que já vinha dando certo, principalmente no estado de São Paulo,  que possuia uma grande rede ferroviária, que levou desenvolvimento a quase todas as regiões do estado. A ferrovia foi a responsável pelo povoamento e o desenvolvimento da economia paulista, e se São Paulo é hoje o estado mais desenvolvido do país, deve-se muito a esse fator.
Está mais que na hora de retomar essa discussão. A rodovia, o automóvel e o caminhão já não são mais uma boa opção para o transporte de pessoas e mercadorias, em um território tão extenso como o Brasil. Nunca foram. E agora menos ainda. Nossos governantes precisam libertar o país da escravidão das montadoras. Afinal de contas, a era dos combustíveis fósseis está no fim, e quem não se aperceber disso vai continuar a carregar a lanterna do subdesenvolvimento.   


 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 30/09/2019
Alterado em 30/09/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras