João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


Algo de mim ficará nas coisas que toquei,
Nas mãos que afaguei,
Nos lábios que beijei,
Nos lugares em que passei
Onde minha sombra recortou a luz
E fez com ela uma silhueta,
Para o tempo p
reencher o álbum das identidades.
Do meu tempo ficará um pouco,
Exposto no intervalo de dois acontecimentos:
Um parto e um funeral, ambos tornados em ritual.

Do meu ódio ficará um pouco,
Registrado nos meus poemas sem arte
E na minha rebeldia sem endereço certo. 
Da minha inveja e do meu prazer ficará um pouco
No inventário das minhas tentativas para ser,
E nos espasmos da minha sensibilidade satisfeita.

Mas sobretudo, ficará um pouco
De tudo que eu senti e fiz sentir.
Algo de mim, um pouco de mim, tudo de mim...
Os meus rastros sobre a terra,
Minha voz na canção do vento,
Minha respiração no sopro ar, 
O toque das minhas mãos nas coisas,
As imagens que meu cérebro montou,
E as palavras que a minha laringe
Consciente ou inconscientemente elaborou.
Sobretudo, ficará de mim,
Os pensamentos que eu emiti,
Incorporados á atmosfera
Formada de todos os pensamentos
Em todos os lugares e tempos,
Que fazem  o Inconsciente coletivo da humanidade.
Assim, sobrevivo á minha passagem pela terra,
E escapo da voragem da entropia.
Sou energia enrolada sobre si mesma
E minha carne se espiritualiza em pensamento.
Minha mente se agrega ao espírito da terra,
Como se fosse mais um neurônio na mente do universo.
Assim, a simbiose se completa.
Mansamente, como um rio que o oceano absorve,
Meu espírito descansa nos braços da eternidade.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 16/10/2019
Alterado em 16/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras