João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


HERÓIS SEM CAUSA

Quando visitei Israel, hospedei-me num hotel que tinha um banheiro com um chuveiro muito peculiar. Havia um timer programado para cinco minutos. Mas apenas dois desses minutos, a intervalos, liberava água. Dentro do box havia as instruções de uso: “acione o chuveiro, fique em baixo do jato de água durante um minuto. O chuveiro desligará automaticamente. Ensaboe-se durante os próximos três minutos. Após três minutos o jato de água será liberado novamente durante dois minutos. Aproveite-o para tirar a espuma do sabonete.”
Quer dizer. Se a gente não soubesse usar o tal chuveiro, ficaria com o corpo cheio de espuma. E não adiantaria espernear porque ele só era acionado com o cartão de hotel. Ele era programado para liberar água para o banho uma vez por dia. Se fossem três pessoas no quarto, seriam três banhos. Se uma delas usasse duas vezes, alguém passaria o dia sem tomar banho.

Em Israel todos os recursos hídricos são utilizados com técnica e parcimônia. Qualquer fontezinha na montanha é canalizada e sua água transportada para alguma finalidade útil. Nenhum riacho é usado como vala de esgoto. A agricultura nos kibutz é irrigada através de sofisticados sistemas pinga-gotas, que liberam só a água suficiente para manter a saúde da planta.
Quem tem muito esbanja e só toma tento do quanto desperdiça depois que perde tudo. É o que acontece conosco. Temos a maior bacia hidrográfica do mundo. Um terço de toda a água doce do planeta está aqui. Por isso nunca tivemos consciência de que gastamos tão mal esse que é o mais valioso de todos os recursos naturais que Deus pôs á disposição do homem. Somos como o alcoólatra inveterado que descobre que tem um fígado só depois que pega cirrose.
Observei que a população israelense vive num eterno estado de guerra. Cada pessoa, ao fazer dezoito anos, começa a receber treinamento militar que dura quase sua vida inteira. Ela recebe uma arma e leva para casa. Todo ano é chamada para uma reciclagem nesse treinamento e deve estar sempre de prontidão caso a pátria precise dela. Há um forte dispositivo de segurança por todo o país, vigiando aeroportos, estradas, portos, cidades. Perguntei ao meu guia (que aliás era nascido no Brasil, de uma família israelense) se ele não achava aquilo tenso e perigoso. Ele respondeu que as cidades brasileiras eram extremamente mais perigosas. Que lá se lutava por alguma coisa que eles sabiam o que era. Água, terras agricultáveis, herança cultural, uma crença. Quando se morre, sabe-se por que se morre. “Aqui”, disse ele, não há heróis. Só gente lutando para sobreviver.” 
No Brasil, balas perdidas matam mais do que nos conflitos que ocorrem na Palestina. E a gente nem fica sabendo por que morreu. Hoje compreendo melhor as razões dele. A morte é menos dolorosa quando se morre por algo que se acredita. Nós, brasileiros, somos todos heróis sem causa. Morremos à toa, sem saber porque morrremos.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 23/10/2019
Alterado em 23/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras