João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


Eu, que amei verdadeiramente o mundo e a vida,
Neles não vi nada que não fosse necessário e útil;
Uma gota de sangue que não devesse ser vertida;
Uma só lágrima derramada por uma razão fútil,

Eu, que vim ao mundo como centelha de energia
Me fiz matéria praticando a química da interação;
E ganhei a vida por conta dessa intensa sinergia,
E sobrevivo de transformação em transformação;

Eu, que amei o mundo porque amava um Deus,
Nele nada vi que não merecesse respeitabilidade,
Um grão de pó, ou mesmo as dúvidas de um ateu,
Nem a desordem que clama por governabilidade;

Eu, que fui a língua que já descreveu o absurdo,
Dele não soube tudo o que podia ser aprendido,
Pois a mente fala através de um alfabeto surdo ,
E a verdade nunca teve um nome e nem ouvido;

Eu, que saí do caos inicial que preside as trevas,
E fiz de mim a fonte onde a diafaneidade mora,
Fui agricultor da escuridão nas noites medievas
Mas fui também o herói que libertou a Aurora;

Eu, que já me elevei a cometa e estrela cadente,
Em um céu sem tempo que pudesse ser medido,
E fui andarilho inútil pelo espaço transcendente
Sem plano de voo ou destino adrede concebido;

Eu, que fui a chuva útil e o arco-íris espectral,
E não senti muita alegria nessas performances,
Pois o útil e o belo também contém bem e mal
E não me ensinaram como usar essas nuances;

Eu, que fui plâncton, areia, alga marinha e sal,
E antes de imigrar para a terra, habitei no mar,
E também fui crustáceo e chafurdei no lamaçal
Após ser nuvem, anjo, pássaro, e o próprio ar;
 
Eu, que nessas existências todas tive liberdade,
Pois,  na simplicidade de cada forma assumida
A natureza não me cobrava a responsabilidade
Que das espécies superiores precisa ser exigida;

Eu, que estou liberto do revezamento natural,
Que a natureza pratica para garantir qualidade,
Na vida que se desenha de maneira processual
Partindo do simples para a total complexidade;

Sou o homem, alvo final de uma evolução fatal,
Que Deus fez para dar sentido ao próprio fado.
Não sou tão complexo que não possa ser banal,
Nem tão simples que não possa ser complicado.
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 31/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras