João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


AS SETE FACES DA ESPERANÇA


Nas águas que o rio do tempo já levou,
Eu sei que não posso mais me banhar.

Levando comigo tudo o que ainda sou.
É nas que vêm que pretendo mergulhar.

Só se pode recuperar o tempo perdido
Não se perdendo um só minuto mais.
Andando somente num único sentido:
O futuro. E o resto que fique para trás.

Pois o tempo é uma régua de ilusões,
Que a gente cria para ter uma medida
Que nos ensine a contar as estações,
Ao longo desta estrada chamada vida.
 
Memória é biblioteca de experiências
Que se usa para guardar aprendizado.
Mas não é purgatório de consciências
Onde se paga pelos errros do passado.

Quero dormir como se o meu destino
Fosse a obra que ainda está para fazer,
E acordar como se fosse um menino,
Na maternidade, acabando de nascer.

 
 Meu sono é como a necessária morte,
Que só existe para eu ser reencarnado.
Meu karma é bússola que só tem norte,
E minha vida é calendário sem passado.

Deixarei o passado para a arqueologia,
E para o futuro reservo a minha mente.
Vivo como se a vida durasse um só dia,
Sentindo como se ela fosse para sempre. 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 06/11/2019
Alterado em 06/11/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras