João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


MATAR OU MORRER
 
Sinopse: O xerife Will Kane, recém casado, está se preparando para deixar a pequena cidade de Hadleyville com sua esposa, quando é informado que Frank Miller, um criminoso local que ele prendeu anos atrás, foi libertado e está voltando em busca de vingança. Quando Kane começa a recrutar alguns homens para lutar, ele percebe que o povo da cidade, na verdade, além de covarde, está torcendo pelo inimigo. Will Kane descobre então que terá de enfrentar sozinho Miller e seus capangas.
 
Se é mais uma coincidência significativa, eu não sei dizer. Mas na noite da quarta-feira, quando os ministros do STF estavam votando a constitucionalidade, ou não, da prisão do réu condenado em 2º instância, um dos canais Premiére, ligados à Globo, estava passando um filme chamado Matar ou Morrer. É um velho faroeste de Fred Zinnemann, lançado em 1952, estrelado por Gary Cooper e Grace Kelly. Toda vez que passa eu assisto, porque ele é emblemático. Mostra, de forma clara, como as pessoas são mal agradecidas e infiéis. Conta a estória do xerife de uma cidadezinha do Velho Oeste que prendeu um bandidão que vivia infernizando a vida das pessoas. Mandou-o para a cadeia, pacificou a região, e virou herói. Mas cinco anos depois os políticos comutaram a pena do celerado e ele voltou para se vingar do xerife. E o povo que o idolatrava se virou contra ele, passando a torcer para o assassino.  O xerife não encontrou uma única alma para apoiá-lo nessa luta e teve que travá-la sozinho.
Lembrei-me desse filme no dia seguinte vendo a festa do Lula sendo solto da cadeia. O Lula voltou. No filme, Frank Miller, o criminoso, tinha uma comissão de frente esperando-o na estação ferroviária, formada pelos seus velhos companheiros de bandidagem. Todos ávidos de vontade para encher o xerife de chumbo e mandá-lo para os quintos dos infernos. E na cidade, grande parte da população esperava ansiosa, pelo desfecho do tiroteio que iria fatalmente acontecer. O Lula tinha uma multidão festejando sua saída da cadeia, soltando fogos e balançando bandeiras.
Mal comparando, parece exatamente o que está acontecendo no Brasil. O Lula voltou, louco para se vingar de quem o mandou para a cadeia. No caso, o xerife é o hoje Ministro da Justiça Sérgio Moro. E será contra ele que o Lula e seus asseclas do PT apontarão suas armas, não para matá-lo, como no filme de Zinnemann, mas para desacreditá-lo e provar que ele tinha, ao condená-lo, intenções mal confessadas.
Como se sabe, Lula livre não resolve o problema do PT. Tendo sido condenado em 2º instância por um tribunal colegiado, ele tornou-se “ficha suja” e é inelegível. Assim não poderá disputar eleições. E no PT, pelo menos hoje, não há nenhum líder com carisma suficiente para ancorar uma candidatura capaz de empolgar o eleitorado. Mesmo sendo o PT o que é, ou seja, mais uma seita fundamentalista do que um partido político, será difícil fabricar um novo profeta.
Resta saber se o povo deste país vai se comportar como os cidadãos de Hadleyville, a cidadezinha do filme, e abandonar o xerife que limpou a cidade à sua própria sorte, para lutar sozinho contra os bandidos. Já começou com o Supremo Tribunal Federal, que deu o primeiro tiro a favor da impunidade, votando contra a prisão de réu condenado em 2º instância.
A propósito, no filme a que nos referimos, o juiz foi o primeiro a fugir da cidade ao saber da volta do bandido. Será a fantasia que imita a realidade ou a realidade que informa a fantasia?

 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 12/11/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras